Notícias de Última Hora :

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

sábado, 23 de janeiro de 2021

Comerciantes lutam pela preservação e revitalização do Centro Histórico de Cuiabá

Bem onde foram abertas as primeiras ruas e travessas da capital mato-grossense, onde circulam dezenas de milhares de pessoas hoje em dia, comerciantes, representantes de entidades de classe do comércio e a sociedade civil organizada lutam para ver a região do Centro Histórico de Cuiabá preservada e revitalizada.

Em 2019, a área que compreende 400 imóveis do período colonial, datadas do século XVII, completa 300 anos de existência e carece de investimentos e atenção do poder público. Em 1993, a área foi tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

Para isso, entidades de classe do setor comercial, a Universidade Federal do Estado de Mato Grosso (UFMT), o IPHAN-MT e a sociedade civil organizada, montaram o grupo Amigos do Centro Histórico de Cuiabá (ACHC), para desenvolver ações que defendam a região. Além disso, discutir junto ao poder público municipal, políticas públicas e soluções práticas para a gestão do patrimônio histórico de Cuiabá.

O presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Calçados e Couros de Mato Grosso (Sincalco-MT) e membro-fundador do ACHC, Junior Macagnam, afirma que o grupo está preocupado com o futuro do Centro Histórico de Cuiabá e que já encaminhou, junto com os demais membros, um ofício ao prefeito da capital solicitando informações a respeito dos recursos do PAC Cidades Históricas e o desenvolvimento de políticas públicas de longo prazo que beneficiem todos os moradores, trabalhadores, comerciantes e proprietários do centro antigo, inclusive nas áreas da segurança e saúde pública.

Para o presidente do Conselho Empresarial de Turismo e Hospitalidade de Mato Grosso (Cetur MT) e vice-presidente da Fecomércio-MT, Manoel Procópio, que também participa do grupo, o objetivo do grupo é mobilizar as autoridades responsáveis para agilizar o processo de restauração e posterior ocupação dos prédios e casarões antigos.

“Muitos turistas vêm visitar a capital do estado querendo conhecer a nossa história. Por isso, precisamos olhar com maior atenção para essa região e desenvolver ações que contribuam para trazer mais e mais turistas para conhecer o nosso Centro histórico, com toda a segurança possível e com um leque de atrações na área da cultura, lazer e gastronomia”.

Centro Histórico de Cuiabá

As vias urbanas do Centro histórico foram abertas a partir da descoberta de ouro, às margens do córrego da Prainha, em 1722. Nessa área, estão as ruas mais antigas de Cuiabá, as antigas ruas de Baixo, do Meio e de Cima (atualmente, as ruas Galdino Pimentel, Ricardo Franco e Pedro Celestino) e suas travessa ainda mantêm preservadas as características arquitetônicas das casas e sobrados.

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Sindenergia-MT participa do 4º Fórum Regional de Geração Distribuída com Fontes Renováveis em Goiânia

Leia em seguida

Cuiabá recebe evento Inside Dev Tour da Microsoft