Notícias de Última Hora :

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

Empresa de aparelhos auditivos atende pacientes em domicílio durante pandemia

Alunos do Colégio Salesiano São Gonçalo podem acompanhar aulas pela internet

Fonoaudióloga de Cuiabá alerta sobre limpeza de aparelhos auditivos no período de pandemia

O mundo é machista, mas quem mandam são elas

Gêmeos de Cuiabá são aprovados em três universidades federais

sábado, 31 de outubro de 2020

Morte de criança por envenenamento mostra despreparo médico em MT

prisão da madrasta ocorrida ontem (9), e chamada pela polícia de “operação branca de neve” porque a enteada de 11 anos teria sido envenenada devido a uma herança de R$800 mil, mostra que a sociedade cuiabana falhou com a menor, morta em junho deste ano, após uma agonia que durou dois meses. A menina deu entrada por nove vezes nos hospitais.

Segundo a delegacia especializada de defesa da criança e do adolescente (Deddica), em um discreto e cuidadoso trabalho de investigação, o que levou a morte da menina foi o pesticida carbofurano, mais conhecido como “furadan”, de letalidade amplamente conhecida no campo.

Os sintomas apresentados pela menina em cada uma das internações, que a levaram a ficar acamada de cinco a sete dias, não deveriam ser desconhecidos pelas dezenas de médicos que a atenderam. O estado de Mato Grosso usa, e muito, os pesticidas, também chamados de defensivos agrícolas.

O “caso branca de neve”, de envenenamento por carbofurano não é o único de Cuiabá. A Deddica investigou em 2016 o caso de um menino de dois anos que morreu após tomar um achocolatado. A investigação policial daquele caso também foi bem feita, mas infelizmente a criança sequer teve tempo de ser socorrida pelos médicos.

O que chama a atenção nesse caso da madrasta é que os médicos não conseguiram diagnosticar as causas. Vômito, diarréia, descoordenação motora, entre outros sintomas conhecidos de intoxicação, não levaram a nenhuma conclusão médica. A menina esteve nos melhores hospitais de Cuiabá, onde estão os melhores recursos médicos de Mato Grosso.

Acidentes de avião sempre levam ao aperfeiçoamento da segurança dos demais vôos, em que se avalia o homem, a máquina e todo o procedimento, no mundo todo. Mas no caso da morte de uma criança em Cuiabá não parece que a rede de proteção esteja sendo melhorada para os demais mato-grossenses.

Em tempo: O fato mostra evidente falha dos médicos no caso, e ainda não se sabe se nos atendimentos eles seguem protocolos necessários para levar ao aperfeiçoamento em casos específicos, o que poderia ser elaborado e/ou supervisionado pelo Conselho Regional e Nacional de Medicina.

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Cassação de Selma: Dodge pede execução imediata do julgado, com realização de novas eleições em MT

Leia em seguida

Projeto que prevê diminuição de vereadores é barrado nas comissões