Notícias de Última Hora :

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

Empresa de aparelhos auditivos atende pacientes em domicílio durante pandemia

Alunos do Colégio Salesiano São Gonçalo podem acompanhar aulas pela internet

Fonoaudióloga de Cuiabá alerta sobre limpeza de aparelhos auditivos no período de pandemia

O mundo é machista, mas quem mandam são elas

Gêmeos de Cuiabá são aprovados em três universidades federais

quinta-feira, 29 de outubro de 2020

Violência no Brasil mata 1800% mais policiais do que a guerra no Afeganistão

Especialista em Inteligência Estratégica e Segurança, Ricardo Gennari, fala sobre mortes recorrentes de policiais brasileiros

A violência só cresce no mundotambém atingindo os policiais. Entre as regiões do país, o Sudeste foi a que contabilizou quantitativamente maior número de mortes: Rio de Janeiro (104), São Paulo (60), Pará (37), Ceará (25) e Pernambuco (24). Esse cenário se repete por todo o Brasil, diariamente os profissionais comparecem fardados em cemitérios para prestar homenagens a colegas de trabalho.

De acordo com o anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), 371 policiais foram assassinados no Brasil em 2017; a maioria de forma violenta, no trabalho ou mesmo durante as suas folgas. Em apenas cinco anos, aproximadamente 1.770 foram mortos. Infelizmente, isso mostra que o Brasil tem dificuldades em garantir a segurança até dos policiais.

Segundo o especialista em Inteligência Estratégica e Segurança, Ricardo Gennari, “perdemos as contas de quantos atos violentos estamos presenciando. Lamentavelmente, o mundo está inseguro e as políticas públicas estão a cada dia mais ineficientes. O que virá amanhã? ”, diz.

A polícia brasileira não é somente a que mais morre vítima do crime, mas também é a que mais mata. As intervenções policiais são necessárias, no entanto é preciso repensar a forma de atuação, sendo necessário o investimento nas políticas preventivas, evitando ao máximo, colocar o policial no combate direto como temos visto.

Gennari afirma, “esses profissionais são guardiões da Nação. Se forem desmoralizadas ou abatidos da forma que temos assistido não restará nenhuma solução de segurança e o país estará entregue à criminalidade sem ninguém para defender a população”, conclui. A violência está vindo de todos os lados, quem deve proteger a sociedade é a mesma que está sendo morta de maneira cruel. Essa questão é com­plexa e depende de uma atuação integrada de diferentes atores para conseguir melhorias.

Ricardo Ferreira Gennari – Graduado em Ciências Econômicas pela Faculdade de Ciências Econômica de São Paulo, Ricardo Gennari é especialista em Inteligência Estratégica e Segurança. Pós com MBA em Inteligência Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), Política e Estratégia pela Universidade de São Paulo (USP). E ainda, Gerência de Sistemas e Serviços de Informação; Logistics and Transportation for the Executive Manager pela School of Business Administration – University of Miami. Mestrando em Gestão de Políticas Públicas pela FGV. Tem cursos de Especialização na Brookings Executive Education – Washington D.C. – USA; na Academy of Competitive Intelligence; no Internacional Police Executive – New York; na Escola Superior de Guerra e na Escola de Governo, conveniada à Universidade de São Paulo; no Institute of Terrorism Research and Response de Israel; na Defense Academy of the United Kingdom (Inglaterra); na Academy for Advanced Security & Anti-Terror Training (Israel) e na National Intelligence Academy (Estados Unidos).

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Mendes: fogo não é problema só do Governo, mas afeta negócios

Leia em seguida

Bandidos invadem clínica odontológica em Cuiabá e fazem reféns