Notícias de Última Hora :

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

Empresa de aparelhos auditivos atende pacientes em domicílio durante pandemia

Alunos do Colégio Salesiano São Gonçalo podem acompanhar aulas pela internet

Fonoaudióloga de Cuiabá alerta sobre limpeza de aparelhos auditivos no período de pandemia

O mundo é machista, mas quem mandam são elas

Gêmeos de Cuiabá são aprovados em três universidades federais

sexta-feira, 30 de outubro de 2020

Condenado por matar mulher e enteados há 22 anos é preso

Ele foi capturado em Goiás, onde também é apontado como maníaco que cometeu dezenas de estupros

Condenado a mais de 50 anos de prisão em regime fechado por triplo homicídio em Mato Grosso e considerado criminoso em série com mais de 20 estupros confirmados no Estado de Goiás, Wellington Ribeiro da Silva, de 52 anos, teve nove mandados de prisão cumpridos pela Polícia Civil.

 

Wellington estava foragido desde 2013. Na quinta-feira (19), ele foi apresentado à imprensa na sede da Secretaria Estadual de Segurança Pública do Estado de Goiás.

 

A ação integrada foi feita com apoio da Gerência Estadual de Polinter e Capturas (Gepol-MT) e da Superintendência de Combate a Corrupção e ao Crime Organizado (GO).

 

Wellingon Silva foi condenado por assassinar a companheira, Luzia Pereira da Cruz, e os dois filhos dela, de 10 e 3 anos de idade, em 1997, em Rondonópolis (a 218 km de Cuiabá). O caso se tornou conhecido como a “Chacina do Monte Líbano” e teve grande repercussão, à época.

 

As investigações apontaram que, na época dos fatos, Wellington comandava uma quadrilha envolvida em diversos roubos e homicídios e tinha um relacionamento com Luzia. Depois de desconfiar que a companheira estava passando informações para a Polícia, Wellington decidiu matá-la.

 

Segundo a Polícia Civil, na noite do crime, o homicida foi até a casa da vítima e, depois de conversarem algum tempo, ele a abraçou e, sem possibilidade de resistência, esfaqueou a vítima violentamente.Não satisfeito, o suspeito ainda matou os dois filhos da vítima, um de 10 e outro apenas de 3 anos de idade. Os corpos foram encontrados dias depois.

 

Sentença, fuga e prisão

Wellington chegou a ser preso após a condenação da Justiça, mas foragiu da Presídio Major PM Eldo Sá Correa (Mata Grande) em 2013 e, desde então, seu paradeiro era desconhecido.

 

Na última semana, Wellington foi preso no Estado de Goiás, onde é considerado pela Polícia um criminoso em série, maníaco sexual, investigado pelo cometimento de crimes sexuais e apontado como autor de 22 estupros confirmados com as vítimas identificadas e autoria reconhecida.

A prisão do suspeito ocorreu após a troca de informações entre o Núcleo de Inteligência Operacional da Gepol e policiais civis da Superintendência de Combate a Corrupção e ao Crime Organizado, órgão integrante da Secretária Estadual de Segurança de Goiás.

A equipe da Polinter fez o encaminhamento dos mandados de prisão que estavam pendentes de cumprimento expedidos pela Justiça de Mato Grosso totalizando nove ordens judiciais.

O delegado, Carlos Levergger, um dos responsáveis pela força tarefa nas investigações dos estupros praticados no Estado de Goiás, disse que no momento da prisão, Wellington fazia uso de documento falso, sendo também autuado em flagrante pelo crime.

Foram atribuídos a ele os diversos crimes sexuais, que começaram a ser praticados desde 2008, alguns deles já confessados.

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

MDB faz encontro e quer mostrar força suprapartidária em torno do nome de Emanuel Pinheiro

Leia em seguida

Governo deposita R$ 59 mi e conclui pagamento de servidores