Notícias de Última Hora :

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

Empresa de aparelhos auditivos atende pacientes em domicílio durante pandemia

quinta-feira, 3 de dezembro de 2020

Selma vê nova Previdência como “monstro” e pede correções

Senadora, que deixou partido do presidente, ainda critica enfraquecimento de órgãos de investigação

Ao justificar sua migração do PSL para o Podemos, a senadora Selma Arruda aproveitou para expor suas divergências em relação a pautas e posicionamentos defendidos pelo presidente Jair Bolsonaro, agora ex-colega de partido.

 

Uma das principais queixas da parlamentar é relacionada à reforma da Previdência, já aprovada na Câmara dos Deputados e tramitando atualmente no Senado. Selma chegou a classificar o texto como “um monstro”.

Para ela, há pontos extremamente negativos no projeto, especialmente no que diz respeito às regras para aposentadoria de militares. Selma defende, por exemplo, que os policiais tenham o mesmo tratamento dispensado aos membros das Forças Armadas.

“Todo mundo sabe que a reforma é extremamente necessária – isso é obvio. Agora, existem pontos que não podemos concordar. Porque fazer essa injustiça com as policiais? Porque querer um policial velho, despreparado para correr atrás de bandido?”, questionou.

 

“Queremos que a Previdência pelo menos trate policiais da mesma forma como serão tratados os do Exército. Porque existe uma reforma diferente para quem e do Exército? Isso não é justo. Não concordo com isso”, disse Selma.

 

Também segundo ela, da forma como está o texto abre margem para que pensionistas recebam um subsídio inferior ao salário mínimo aplicado no País.

“Vejam que não tem um trabalhador no Brasil que pode ganhar abaixo do salário mínimo. Mas nessa reforma, infelizmente, a gente tem essa irregularidade com a qual não concordo e não sou obrigada a concordar”, afirmou.

Ainda sobre a reforma, a senadora criticou a ausência de um período de transição, o que inviabiliza os trabalhadores de “organizarem” suas aposentadorias. “Isso não é justo, não concordo. São pontos que facilmente dá para corrigir”, ponderou ela.

“Brigar por esses pontos, brigar por essas injustiças não é brigar com o presidente. Acredito que nem o presidente tenha noção total de como ficou essa reforma, que monstro foi criado. Concordo com a reforma, vou votar a favor, mas não concordo com esses pontos”.

 

Enfraquecimento do Coaf

Outro descontentamento revelado por Selma é por conta da decisão do presidente Jair Bolsonaro em manter o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) com o ministro da Economia, Paulo Guedes

“Porque o COAF foi enfraquecido? Lutamos muito aqui para que o Coaf não saísse das mãos do ministro Sérgio Moro. O Podemos até entrou com uma ação judicial à época e a ação ficou prejudicada porque o Governo concordou que o Coaf voltasse para o Guedes e agora nem Coaf não é mais”, lamentou ela, referindo-se à transformação do conselho em Unidade de Inteligência Financeira.

 

“Sou contra esse enfraquecimento do Coaf, da Receita Federal. A redução do poder de investigação dos auditores. Quem é contra corrupção não pode concordar com isso”, acrescentou.

 

“Sem traição”

 

Apesar das críticas e da mudança partidária, a senadora Selma Arruda afirmou que continuará apoiando o Governo do presidente Bolsonaro.

 

“Mudar de partido não é traição. Sair de um partido e ir para outro não significa trair Bolsonaro. Divergir em alguns pontos das ideias do Bolsonaro não é traição. Acho que nem na família a gente consegue ter todos os membros concordando com as mesmas ideias, ainda mais num partido”, disse.

 

“As pessoas têm ponto de vistas diferentes. Tenho uma formação, algumas coisas não concordo com ele, o que é normal. Não estou indo para a oposição. O Podemos é um partido organizado e que me da liberdade para poder exprimir essas coisas que estou dizendo aqui”, concluiu.

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Prefeitura não garante Dutrinha para campeonato mato-grossense

Leia em seguida

Alcolumbre defende volta do financiamento privado na eleição