Notícias de Última Hora :

Atleta olímpico participa de jogo de fuga em Cuiabá

Dia do fonoaudiólogo: entenda a importância desse profissional no ambiente hospitalar

Profissionalismo e dedicação marcam 20 anos de profissão da fonoaudióloga Samia Ribeiro

Chapa 2 Integração protocola pedido para que profissionais da contabilidade tenham férias fiscais em MT

Adrenalina, desafios e diversão te esperam no Halloween da Escape60, em Cuiabá

Encontro automobilístico “Esperienza” supermáquinas entra para o calendário de eventos em Mato Grosso

Experiência única de recreação e entretenimento: Conheça o Escape60′

Fotógrafo vem a MT para ensaios que levantam autoestima de mulheres

Aparelho auditivo com “modo máscara” é alternativa que possibilita a comunicação com a proteção facial

Professora da UFMT recebe moção de aplausos em homenagem ao Dia do Contador

Escape 60′ oferece desconto para confraternização corporativa de fim de ano

Jogo de fuga cercado de desafios, mistérios e adrenalina: conheça o Escape60′

Feira gratuita ajuda jovens a cursarem faculdades fora do país

Municípios precisam de representatividade na Assembleia Legislativa

Dia do Estudante tem programação especial em escola de Cuiabá

Justiça reconhece que concessionária não é responsável solidária em processo de indenização por defeito de carro

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

quinta-feira, 20 de janeiro de 2022

Janot revela que foi armado ao STF para matar Gilmar Mendes depois suicidar

‘Não ia ser ameaça não. Ia ser assassinato mesmo. Ia matar ele’, diz o ex-procurador geral da República

O Supremo Tribunal Federal (STF) quase foi palco de uma tragédia em 2017. Em entrevista ao jornal “O Estado de S. Paulo”, o ex-procurador geral da República Rodrigo Janot afirmou que chegou a entrar armado na Corte com a intenção de assassinar o ministro Gilmar Mendes e, depois, se matar. “Não ia ser ameaça não. Ia ser assassinato mesmo. Ia matar ele (Gilmar) e depois me suicidar”, afirmou Janot.

A tensão surgiu quando, em maio de 2017, o procurador geral apresentou uma suspeição sobre Gilmar, pedindo que o ministro fosse impedido de julgar um habeas corpus do empresário Eike Batista. A justificativa era de que a mulher do ministro, Guiomar Mendes, atuava no escritório Sérgio Bermudes, que advogava para o empresário.

Ainda segundo o jornal “O Estado de S. Paulo”, na defesa do pedido, Gilmar Mendes afirmou que Letícia Ladeira Monteiro de Barros, filha de Janot, defendia a OAS – empresa investigada na operação Lava Jato – em um processo no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

“Foi logo depois que eu apresentei a sessão de suspeição dele no caso do Eike. Aí ele inventou uma história que a minha filha advogava na parte penal para uma empresa da Lava Jato. Minha filha nunca advogou na área penal… e aí eu saí do sério”, afirmou o ex-procurador geral.

Ainda segundo o jornal, Janot foi até o Supremo armado, e chegou a ficar sozinho com Gilmar Mendes em uma antessala, mas desistiu no último instante de cometer o ato. O ex-procurador geral também relatou a história para a revista “Veja”. “Tirei a minha pistola da cintura, engatilhei, mantive-a encostada à perna e fui para cima dele. Mas algo estranho aconteceu. Quando procurei o gatilho, meu dedo indicador ficou paralisado. Eu sou destro. Mudei de mão.

Tentei posicionar a pistola na mão esquerda, mas meu dedo paralisou de novo. Nesse momento, eu estava a menos de 2 metros dele. Não erro um tiro nessa distância. Pensei: ‘Isso é um sinal’. Acho que ele nem percebeu que esteve perto da morte. Depois disso, chamei meu secretário executivo, disse que não estava passando bem e fui embora”, afirmou o ex-procurador geral. “Ele estava sozinho”, disse. “Mas foi a mão de Deus. Foi a mão de Deus”, completou Janot.

O caso também é relatado no livro “Nada Menos que Tudo”, escrito pelos jornalistas Jailton de Carvalho e Guilherme Evelin com base em depoimentos de Janot, assim que ele deixou o cargo. No volume, porém, o nome de Gilmar Mendes é omitido do capítulo.

Cargos

O livro também conta detalhes sobre pedidos que Janot recebeu do ex-presidente Michel Temer (MDB), para que não fosse aberta uma investigação contra o ex-deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ), a quem classificou de “o pior dos criminosos”.

Ele também relatou uma oferta que recebeu do deputado Aécio Neves (PSDB) para que fosse candidato a vice-presidente nas eleições de 2018. “Certo dia, em 2017,  Aécio, sentiu que o clima estava aquecendo com as investigações sobre a Odebrecht e me convidou para ser ministro da Justiça quando ele fosse eleito presidente da República no ano seguinte. Eu, é claro, declinei. Dias depois, ele voltou e me fez outra proposta: ‘Quero pedir desculpa. O convite não estava à sua altura. Eu acho que você podia ser o meu vice-­presidente’”, afirmou.

Ler Anterior

Barbie do Tráfico’ é morta a tiros

Leia em seguida

Maior derrota da Lava Jato mudará configuração política do país