Notícias de Última Hora :

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

Empresa de aparelhos auditivos atende pacientes em domicílio durante pandemia

sábado, 5 de dezembro de 2020

Juíza determina bloqueio de R$ 2,2 milhões de ex-deputados

Gilmar Fabris e Luiz Marinho são acusados de receber propina do ex-governador Silval Barbosa

A juíza Célia Vidotti, da Vara de Ação Civil Pública e Ação Popular, decretou a indisponibilidade de bens de R$ 1,2 milhão do ex-deputado estadual Gilmar Fabris. A magistrada também determinou o bloqueio de R$ 1 milhão do ex-deputado Luiz Marinho.

A decisão foi publicada nesta terça-feira (1º) e atende parcialmente uma ação do Ministério Público Estadual.

Na ação, o MPE apontou que os ex-deputados incorreram em improbidade administrativa ao supostamente receberem “mensalinho” na gestão do ex-governador Silval Barbosa.

Segundo o MPE, foi descoberto que Fabris teria recebido o pagamento de vantagem ilícita no valor de R$ 50 mil mensais, em 12 parcelas, o que equivale R$ 600 mil.

Já Marinho teria recebido o pagamento de vantagem ilícita no valor de R$ 50 mil mensais, em oito vezes, no total de R$ 400 mil, embora a promessa era de que seriam pagas 12 parcelas, que totalizariam R$ 600 mil.

O suposto recebimento do “mensalinho” por parte dos deputados veio a público, primeiro, na delação do ex-secretário chefe da Casa Civil Pedro Nadaf e depois foi confirmada nas delações de Silval e do seu ex-chefe de gabinete, Silvio Correa Araújo.

Silvio inclusive entregou vídeos dos deputados recebendo a suposta propina. As imagens ganharam repercussão nacional e foram citadas pelo MPE nas ações.

A suposta propina, segundo as delações, eram pagas para manter o apoio dos deputados estaduais da legislatura 2010/2014 e aprovar as contas de governo.

“Indícios robustos”

Em sua decisão, a juíza Célia Vidotti citou que há “robustos indícios” da prática de ato de improbidade administrativa pelo ex-parlamentares, “consistente no recebimento de vantagem econômica indevida, proveniente de dinheiro público para, no exercício das suas funções, favorecer o Executivo estadual”.

“As condutas dos requeridos também evidenciam ofensa aos princípios inerentes não só a administração pública, mas ao próprio exercício do mandato parlamentar, como a honestidade, a moralidade, a impessoalidade e a legalidade. Assim é necessário assegurar o resultado útil na ação de improbidade administrativa”, diz trecho da decisão.

“Pretensão vultuosa”

Na ação, o MPE pediu o ressarcimento de R$ 600 mil, pagamento de multa civil de R$ 1,8 milhão e indenização por dano moral e coletivo também de R$ 1,8 milhão.

Já contra Marinho, o MPE pede ressarcimento de R$ 400 mil, pagamento de multa civil de R$ 1,2 milhão e indenização por dano moral e coletivo também de R$ 1,2 milhão.

A juíza, no entanto, ressaltou que o vultoso valor pretendido a título de ressarcimento de dano moral coletivo, assim como a multa em seu grau máximo, não se “coadunam com precariedade da tutela cautelar e a necessidade de se observar a proporcionalidade para a determinação da medida de indisponibilidade de bens”,

“Diante do exposto, com fulcro no art. 300, do Código de Processo Civil c/c o artigo 7º, da Lei 8.429/92, defiro parcialmente a liminar pleiteada e decreto a indisponibilidade dos bens do requerido Gilmar Donizete Fabris (CPF 181.376.441-72), até o montante de R$1.200.000,00 (um milhão e duzentos mil reais) e  R$1.000.000,00 (um milhão de reais)do requerido Luiz Marinho de Souza Botelho, valores referentes ao montante da propina paga aos deputados estaduais e da penalidade de multa, para fins de garantia do ressarcimento dos valores supostamente desviados e pagamento da sanção pecuniária”, decidiu.

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Cliente é baleado no peito em assalto no Banco Itaú em Cuiabá

Leia em seguida

Comerciantes de rua recebem capacitação sobre empreendedorismo