Notícias de Última Hora :

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

Juiz retira tornozeleira de 12 réus por sonegação de R$ 140 milhões

Réus também estão livres do recolhimento domiciliar no período noturno e nos finais de semana

O juiz Jorge Tadeu, da Sétima Vara Criminal de Cuiabá, revogou na quarta-feira (2) a necessidade de tonozeleira eletrônica imposta a 12 réus em processo proveniente da Operação Crédito Podre, que combateu sonegação de R$ 140 milhões em ICMS.

 

A decisão de Jorge Tadeu estendeu posicionamento da magistrada Ana Cristina Mendes, também da Sétima Vara, que havia revogado no dia 27 de setembro cautelares impostas a outras cinco pessoas.

A decisão de Tadeu libera do monitoramento os seguintes nomes: Rivaldo Alves da Cunha, Paulo Serafim da Silva, Evandro Teixeira de Rezende, Paulo Pereira da Silva, Rogério Rocha Delmindo, Neusa Lagemann de Campos, Rinaldo Batista Ferreira Júnior, Clóvis Conceição Silva, Paulo Henrique Alves Ferreira, Marcelo Medina, Theo Marlon Medina e Alysson de Souza Figueiredo

Os réus também estão livres do recolhimento domiciliar no período noturno e nos finais de semana e feriados. Para decidir, o magistrado esclareceu as instrução do processo ainda não foi iniciado. A denuncia foi oferecida em 2018. Ou seja, há excesso de prazo.

Estão mantidos: a necessidade de comparecimento mensal em juízo; proibição de acesso a quaisquer repartições públicas estaduais; proibição de contatos entre os acusados e testemunhas arroladas; proibição de se ausentarem de Mato Grosso sem prévia comunicação ao Juízo; e a suspensão do registro profissional dos contadores e técnicos em contabilidade no Conselho Regional de Contabilidade de Mato Grosso.

Decisão anterior, de Ana Cristina Mendes, havia beneficiado os réus Diego de Jesus Conceição, Keila Catarina de Paula, Kamil Costa de Paula, Almir Candido de Figueiredo e Jean Carlos Lara.

A denúncia oferecida pelo Ministério Público contra os investigados na Operação Crédito Podre foi recebida pelo juiz da Sétima Vara Criminal em janeiro de 2018.

O MPE cita que o grupo tinha uma estrutura hierárquica preestabelecida e divisão de tarefas para a prática de crimes de falsidade ideológica de documento público e documento particular, uso indevido de selo público verdadeiro, falsa identidade, coação no curso do processo e ameaça.

A operação Crédito Podre foi deflagrada pela Polícia Judiciária Civil em dezembro do ano passado. Segundo investigações, no mínimo vinte empresas fantasmas ou de fachadas teriam sido utilizadas no esquema que teria sonegado mais de R$ 140 milhões do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no Estado.

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

CGE: 36 aposentados por invalidez seguem trabalhando em MT

Leia em seguida

Polícia prende casal por tráfico de drogas e organização criminosa