Notícias de Última Hora :

Dia do fonoaudiólogo: entenda a importância desse profissional no ambiente hospitalar

Profissionalismo e dedicação marcam 20 anos de profissão da fonoaudióloga Samia Ribeiro

Chapa 2 Integração protocola pedido para que profissionais da contabilidade tenham férias fiscais em MT

Adrenalina, desafios e diversão te esperam no Halloween da Escape60, em Cuiabá

Encontro automobilístico “Esperienza” supermáquinas entra para o calendário de eventos em Mato Grosso

Experiência única de recreação e entretenimento: Conheça o Escape60′

Fotógrafo vem a MT para ensaios que levantam autoestima de mulheres

Aparelho auditivo com “modo máscara” é alternativa que possibilita a comunicação com a proteção facial

Professora da UFMT recebe moção de aplausos em homenagem ao Dia do Contador

Escape 60′ oferece desconto para confraternização corporativa de fim de ano

Jogo de fuga cercado de desafios, mistérios e adrenalina: conheça o Escape60′

Feira gratuita ajuda jovens a cursarem faculdades fora do país

Municípios precisam de representatividade na Assembleia Legislativa

Dia do Estudante tem programação especial em escola de Cuiabá

Justiça reconhece que concessionária não é responsável solidária em processo de indenização por defeito de carro

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

segunda-feira, 17 de janeiro de 2022

Juiz retira tornozeleira de 12 réus por sonegação de R$ 140 milhões

Réus também estão livres do recolhimento domiciliar no período noturno e nos finais de semana

O juiz Jorge Tadeu, da Sétima Vara Criminal de Cuiabá, revogou na quarta-feira (2) a necessidade de tonozeleira eletrônica imposta a 12 réus em processo proveniente da Operação Crédito Podre, que combateu sonegação de R$ 140 milhões em ICMS.

 

A decisão de Jorge Tadeu estendeu posicionamento da magistrada Ana Cristina Mendes, também da Sétima Vara, que havia revogado no dia 27 de setembro cautelares impostas a outras cinco pessoas.

A decisão de Tadeu libera do monitoramento os seguintes nomes: Rivaldo Alves da Cunha, Paulo Serafim da Silva, Evandro Teixeira de Rezende, Paulo Pereira da Silva, Rogério Rocha Delmindo, Neusa Lagemann de Campos, Rinaldo Batista Ferreira Júnior, Clóvis Conceição Silva, Paulo Henrique Alves Ferreira, Marcelo Medina, Theo Marlon Medina e Alysson de Souza Figueiredo

Os réus também estão livres do recolhimento domiciliar no período noturno e nos finais de semana e feriados. Para decidir, o magistrado esclareceu as instrução do processo ainda não foi iniciado. A denuncia foi oferecida em 2018. Ou seja, há excesso de prazo.

Estão mantidos: a necessidade de comparecimento mensal em juízo; proibição de acesso a quaisquer repartições públicas estaduais; proibição de contatos entre os acusados e testemunhas arroladas; proibição de se ausentarem de Mato Grosso sem prévia comunicação ao Juízo; e a suspensão do registro profissional dos contadores e técnicos em contabilidade no Conselho Regional de Contabilidade de Mato Grosso.

Decisão anterior, de Ana Cristina Mendes, havia beneficiado os réus Diego de Jesus Conceição, Keila Catarina de Paula, Kamil Costa de Paula, Almir Candido de Figueiredo e Jean Carlos Lara.

A denúncia oferecida pelo Ministério Público contra os investigados na Operação Crédito Podre foi recebida pelo juiz da Sétima Vara Criminal em janeiro de 2018.

O MPE cita que o grupo tinha uma estrutura hierárquica preestabelecida e divisão de tarefas para a prática de crimes de falsidade ideológica de documento público e documento particular, uso indevido de selo público verdadeiro, falsa identidade, coação no curso do processo e ameaça.

A operação Crédito Podre foi deflagrada pela Polícia Judiciária Civil em dezembro do ano passado. Segundo investigações, no mínimo vinte empresas fantasmas ou de fachadas teriam sido utilizadas no esquema que teria sonegado mais de R$ 140 milhões do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no Estado.

Ler Anterior

CGE: 36 aposentados por invalidez seguem trabalhando em MT

Leia em seguida

Polícia prende casal por tráfico de drogas e organização criminosa