Notícias de Última Hora :

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

segunda-feira, 18 de janeiro de 2021

Advogado preso era dono de duas empresas fantasmas, diz Defaz

Operação foi desencadeada nas primeiras horas desta quarta para investigar esquema de sonegação

O advogado Anilton Gomes Rodrigues, que foi preso na Operação “Faker Paper”, na manhã desta quarta-feira (9), é apontado como um dos principais integrantes de um esquema responsável por sonegar impostos através de emissão de notas frias em Mato Grosso.

De acordo com o delegado Sylvio do Vale, da Delegacia Fazendária,  Anildo era sócio e contador das empresas Rio Rancho Produtos do Agronegócio, Mato Grosso Comércio e Serviços e a B. Da S. Guimarães Eireli, que juntas emitiram R$ 337.337.930,11 em notas frias, gerando um prejuízo “alarmante” aos cofres do Estado.

“O Anildo é advogado, contador e sócio de duas empresas das três investigadas. E na terceira empresa, ele era apenas o contador”, disse o delegado.

Além do advogado, a operação cumpriu mandado de prisão contra outras oito pessoas. Os nomes dos demais alvos ainda não foram divulgados. A ação cumpriu 15 mandados de busca e apreensão.

Conforme o secretário de Estado de Fazenda (Sefaz), Rogério Gallo, o esquema foi descoberto pela gerência da Sefaz que calcula a partilha do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadoria e Serviços) aos municípios, conforme as operações tributadas em cada cidade.

Este setor é responsável por verificar o comportamento das operações realizadas nos municípios e, assim, estabelecer critérios para a divisão do bolo do ICMS.

“Foi verificado que essas três empresas movimentaram volumes financeiros e de produtos que não tinham correlação com as entradas em mercadorias nos seus estabelecimentos. Isso gerou relatório de inteligência, que foi compartilhado com a Defaz”, explicou o secretário.

“Um dos produtores rurais acabou vindo à Defaz e confessou que de fato aquela aquisição dele não era uma operação real, era fictícia, enfim. A partir daí desencadeou essa operação”, acrecentou.

A operação 

Desencada nas primeiras horas desta quarta-feira, a ação policial apura uma organização que, através de falsificação de documento público, falsificação de selo ou sinal público e uso de documento falso, promoveu a abertura de empresas de fachada, visando disponibilizar notas fiscais frias para utilização de produtores rurais e empresas nos crimes de sonegação fiscal.

Além disso, o esquema possibilitou a prática de crimes não tributários, como a fraude a licitação, ou mesmo ‘esquentar’ mercadorias furtadas ou roubadas.

Os mandados foram cumpridos em sete cidades de Mato Grosso: Cuiabá, Tangará da Serra, Campo Novo dos Parecis, Barra do Bugres, Canarana, Sorriso e Juína.

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Mendes pede punições severas e debate sobre pena de morte

Leia em seguida

Mercearia de fachada era ponto de venda de drogas em Cuiabá