Notícias de Última Hora :

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

Empresa de aparelhos auditivos atende pacientes em domicílio durante pandemia

Alunos do Colégio Salesiano São Gonçalo podem acompanhar aulas pela internet

Fonoaudióloga de Cuiabá alerta sobre limpeza de aparelhos auditivos no período de pandemia

O mundo é machista, mas quem mandam são elas

Gêmeos de Cuiabá são aprovados em três universidades federais

terça-feira, 20 de outubro de 2020

Botelho: Discurso de diretor não convenceu e investigação continua (CPI da Energisa)

Diretor da Energisa apresentou dados referentes aos serviços prestados e foi criticado por Botelho

O presidente da Assembleia Legislativa Eduardo Botelho (DEM) disse que os dados apresentados pela Energisa, durante audiência pública realizada nesta terça-feira (15), não “convenceram”.

Por conta disso, o parlamentar defendeu a continuidade da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigará os serviços prestados pela concessionária.

“Foi uma explanação técnica, mas deixou muito a desejar. Ele mostrou apenas números vantajosos para eles, o que não é verdade. Mostrando até que existe satisfação de clientes de Mato Grosso, quando a gente sabe que não existe”, disse Botelho logo após o fim do encontro.

“Não convenceu ninguém. A gente vai continuar com a CPI e espero que dê resultado”, acrescentou.

A apresentação foi feita pelo diretor-presidente da Concessionária , Riberto José Barbanera. Durante a explanação, ele admitiu falhas na prestação de serviço, mas afirmou que elas estão sendo sanadas ao longo dos anos.

Em um dos pontos, disse que apesar de ser o setor com maior índice de reclamação no Procon Estadual, o número representa 0,1% do atendimento que a empresa realiza.

Outro ponto levantado é de que atualmente 309 mil clientes não são atendidos com a qualidade de fornecimento elétrico que a regulamentação da Aneel exige. No entanto, segundo Barbanera, em 2013, quando a Energisa se instalou no Estado, o número chegava a 569 mil.

Entretanto, para Botelho há mais pontos negativos na prestação dos serviços.

“Eles tiraram o call center daqui e diminuíram 300 postos de emprego. Eles tiraram a parte gerencial, de engenharia. Isso não existe mais aqui. Se você quer fazer um projeto aqui, eles fazem pelo Google lá em São Paulo. Aqui não, aqui não se faz mais nada”, enumerou.

“E, para complicar, judiam mais do povo mato-grossense trazendo empresas terceirizadas de fora e reduzindo salários aqui. Antes, era em torno de R$ 1,9 mil para os eletricistas, agora estão abaixando para R$ 1,3 mil. Então, realmente é exploração em cima do povo mato-grossense”, afirmou.

Rompimento

A possibilidade de rompimento de contrato com a concessionária no Estado vem sendo levantada desde a abertura da CPI. Segundo Botelho, a intenção da CPI é que haja uma melhora no serviço prestado e até uma revisão tarifaria.

“Defender só a suspensão da Energisa é muito complicado. Teria que ter alguém para assumir. O mercado, hoje, funciona muito em função de uma empresa que não entra na área da outra. É um mercado de monopólio”, disse.

“O que defendo é que façamos pressão para que haja um trabalho melhor e que mude os índices”, completou.

 

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Projeto ajuda associação de mães com crianças com microcefalia

Leia em seguida

Não quero tomar o PSL de ninguém, diz Bolsonaro sobre Bivar