Notícias de Última Hora :

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

Empresa de aparelhos auditivos atende pacientes em domicílio durante pandemia

Alunos do Colégio Salesiano São Gonçalo podem acompanhar aulas pela internet

Fonoaudióloga de Cuiabá alerta sobre limpeza de aparelhos auditivos no período de pandemia

O mundo é machista, mas quem mandam são elas

Gêmeos de Cuiabá são aprovados em três universidades federais

segunda-feira, 19 de outubro de 2020

“Vossa Excelência respeite os colegas”, diz Toffoli a Barroso

Ministros se desentenderam durante um debate no plenário sobre uma questão eleitoral

Na véspera do início do julgamento sobre prisões em segunda instância, tema que divide o Supremo Tribunal Federal, os ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes se desentenderam durante um debate no plenário sobre uma questão eleitoral.

A corte analisava nesta quarta-feira (16) uma ação que contesta uma resolução do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que prevê que diretórios de partidos que não prestarem contas à Justiça Eleitoral tenham seu registro suspenso.

Moraes votava acompanhando o relator da ação, Gilmar Mendes, pela improcedência da ação por considerar que caberia ao Congresso legislar sobre o tema. “Há uma música antiga, não tão antiga, ‘Cada um no seu quadrado'”, disse Moraes.

“O nosso [quadrado] é interpretar a Constituição”, interrompeu Barroso.

“O Supremo, então, que declare inconstitucional a lei. Agora, não pode substituir a lei por uma resolução, por melhor que seja, do Tribunal Superior Eleitoral”, continuou Moraes.

“Essa crença de que dinheiro público é dinheiro de ninguém é que atrasa o país”, disse Barroso, ao que Moraes replicou: “Essa crença de que o Supremo pode fazer o que bem entende, desrespeitando a legislação, também atrasa o país”.

Barroso então disse que estava manifestando sua posição. “Eu acho que o dinheiro público tem que ter contas prestadas”, disse.

O presidente do tribunal, ministro Dias Toffoli, interveio. “Isso é o que todos nós pensamos. Vossa Excelência respeite os colegas”, disse Toffoli.

Barroso respondeu ao presidente. “Eu sempre respeito os colegas. Estou emitindo minha opinião. Vossa Excelência está sendo deselegante com um colega que é respeitoso com todo o mundo. Eu disse apenas que a Constituição impõe o dever de prestação de contas.”

O julgamento sobre o tema eleitoral foi adiado por um pedido de vista de Barroso, que disse precisar de mais tempo para analisar o caso.

Ao chegar para a sessão desta quarta, o ministro disse a jornalistas que espera que o Supremo mantenha o entendimento vigente que, desde 2016, autoriza a prisão de condenados em segundo grau, antes de esgotados todos os recursos.

“Nós precisamos ter consciência de que não ingressaremos no grupo dos países desenvolvidos sem enfrentamento com determinação da corrupção.

Ninguém respeita um país que os agentes públicos se consideram sócios do Brasil e têm participação indevida em todas as obras públicas, nos empréstimos, nos financiamentos, nas desonerações. Essa cultura que naturalizou as coisas erradas precisa ser enfrentada”, disse Barroso.

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Bombeiros e Exército combatem focos de calor no Pantanal

Leia em seguida

Homem tenta matar o pai com golpes de facão em Cuiabá