Notícias de Última Hora :

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

Empresa de aparelhos auditivos atende pacientes em domicílio durante pandemia

Alunos do Colégio Salesiano São Gonçalo podem acompanhar aulas pela internet

terça-feira, 24 de novembro de 2020

Nadaf diz que Dentinho pediu propina de R$ 60 mil em esquema

Operação Quadro Negro prendeu seis acusados de participação em desvios em contratos no Estado

Investigações realizadas pela Delegacia Fazendária (Defaz) apontam que o ex-presidente do Cepromat (hoje MTI), Wilson Celso Teixeira, o “Dentinho”, teria exigido uma propina de R$ 60 mil para viabilizar o esquema de fraudes ocorrido no órgão, no ano de 2014.

O esquema teria desviado R$ 10 milhões dos cofres públicos, em valores atualizados, e foi desbaratado na Operação Quadro Negro, deflagrada na manhã desta terça-feira (22). Dentinho está entre os presos na operação.

Os contratos (013/2014 e 040/2014) entre o Cepromat e a empresa Avançar Tecnologia em Software – que deram origem aos desvios – foram formalizados para saldar dívidas do então governador Silval Barbosa com o empresário Valdir Piran.

Conforme a Defaz, o pedido de propina foi feito por Dentinho ao empresário Weydson Soares Fonteles, representante da Avançar, já que cabia ao então presidente do Cepromat realizar a liberação dos pagamentos a empresa.

“Segundo restou evidenciado por meio do depoimento do colaborador Pedro Nadaf, conforme lhe confidenciado, Wilson teria exigido de Weydson o pagamento de quantia, a título de propina, para liberação de crédito existente da empresa Avançar junto à Cepromat, o valor de R$ 60 mil, supostamente recebido por meio de conta bancária de Thales Fernando de Andrade Monteiro”, diz trecho da decisão, assinada pela juíza Ana Cristina da Silva Mendes, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá.

Para a Defaz, não seria crível que tal exigência tivesse ocorrido se o então presidente não tivesse conhecimento de que os contratos haviam sido pactuados de forma irregular.

Ainda conforme as investigações, Dentinho também atuou no esquema já que coube a ele viabilizar a contratação da empresa e o consequente pagamento pelos serviços supostamente prestados.

“Wilson ainda teria assinado o contrato 40/2014, nos últimos dias de gestão de Silval Barbosa, mesmo com as gravíssimas irregularidades existentes no contrato 12/2014”, acrescenta a decisão.

O esquema

Um dos contratos fraudulentos (13/2014) visava a contratação de empresa especializada no fornecimento de licença de uso de softwares educacionais, que incluía a customização, mídias de instalação, capacitação dos professores, manutenção e acompanhamento técnico pedagógico, no valor de R$ 5 milhões.

O segundo contrato (40/2014) previa a contratação de 188.400 licenças de uso de software educacional, incluindo instalação, manutenção, customização, atualização, capacitação de docentes, supervisão técnico/pedagógica, suporte e manutenção, com valor de R$ 4.992.600,00, embora se tenha pago R$ 2.967.622,00.

Conforme relatórios da Controladoria Geral do Estado (CGE), em alguns casos a prestação dos contratos ocorreu de forma irregular e em outros sequer existiu.

O relatório detectou, por exemplo, que não houve instalação dos softwares de algumas escolas, inexistiu a capacitação dos profissionais da Secretaria de Estado de Educação, além de utilização de softwares piratas.

Prisões

Além de Dentinho e de Weydson Soares Fonteles, também foi preso nesta manhã o empresário Valdir Piran, apontado como líder e articulador do esquema.

Foram alvo de mandados de prisão também:  o ex-diretor de gestão e tecnologia do órgão, Djalma Souza Soares; o fiscal de contratos, Edevamilton de Lima Oliveira e o ex-secretário-adjunto da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), Francisvaldo Pereira de Assunção.

 

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Mendes vê tarifa de energia elétrica cara, mas teme “politicagem”

Leia em seguida

Brasil conquista sete medalhas no terceiro dia dos JMM, na China