Notícias de Última Hora :

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

MPF denuncia chefe da Casa Civil e Eder por lavagem de dinheiro

Procuradora diz que valores de esquema foram usados para pagar empréstimo da São Tadeu Energética com banco

O Ministério Público Federal (MPF) em Mato Grosso denunciou o secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, e o ex-secretário de Estado Eder Moraes, pelo crime de lavagem de dinheiro.

A denúncia, feita pela procuradora da República Vanessa Scarmagnani, tem como base repasses de valores que totalizaram R$ 788.500,00, feitos em 2010 pela Globo Fomento Ltda., do delator da Ararath Gércio Marcelino Mendonça Júnior, à empresa São Tadeu Energética S/A, que tem Mauro Carvalho como sócio.

O dinheiro foi usado para pagar um empréstimo feito pela São Tadeu com o BicBanco. O ex-governador Maggi é citado como eventual devedor solidário, já que avalizou um dos empréstimos à empresa.

Segundo a procuradora, Eder Moraes – que liderava um sistema financeiro paralelo, durante 2005 e 2013, nas gestões dos ex-governadores Blairo Maggi e Silval Barbosa -, foi quem determinou os repasses das empresas de Mendonça Júnior para a São Tadeu.

Para o MPF, o dinheiro transferido à empresa de Carvalho teve origem ilícita, de vários esquemas operados por Eder, e “serviram para ocultar e dissimular a natureza, origem, localização, disposição, movimentação e propriedade da quantia de R$ 788.500,00”.

O dinheiro, diz a procuradora da República, foi proveniente da infração penal antecedente dos crimes contra a administração pública e contra o Sistema Financeiro Nacional, que foram praticados pelo denunciado Eder Moraes em concurso com outros agentes.

Declarações à PF

Em depoimento à Polícia Federal, em maio de 2014, o secretário-chefe da Casa Civil disse que pegou, de fato, um empréstimo com Júnior Mendonça no valor aproximado de R$ 400.000,00, para quitar uma dívida com o BicBanco.

Eder Moraes e Blairo Maggi

Segundo ele, entre dez e quinze dias depois, o valor de R$ 388.500,00 foi pago em espécie, a Mendonça Júnior.

À PF, Carvalho disse que não houve nenhuma outra transação entre Mendonça e a São Tadeu Energética.

O MPF diz que Mendonça não confirmou essa versão, e que os valores repassados foram provenientes do sistema conta-corrente mantido por ele e Eder Moraes.

Na denúncia, a procuradora Vanessa Scarmagnani diz que ficou demonstrado que Eder Moraes, Mauro Carvalho e Mendonça Júnior, mediante empresas e “negócios simulados” (supostos empréstimos contraídos), bem como mediante a utilização de títulos de créditos (cheques e notas promissórias), ocultaram e dissimularam a natureza, a movimentação e a propriedade de valores provenientes de infrações penais.

Outro lado

Em contato com a reportagem, Mauro Carvalho disse que seus advogados ainda não tiveram conhecimento da denúncia. E que eles irão se posicionar tão logo se inteirem dos fatos.

O ex-secretário Eder Moraes, já condenado por diversos crimes, considerou a denúncia “esdrúxula” e afirmou que nunca realizou nenhum negócio com o secretário Mauro Carvalho.

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Mulher é presa com carro roubado e oferece sexo para ser solta

Leia em seguida

Mendes: “Não vamos mudar o País se o Congresso se acovardar”