Notícias de Última Hora :

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

Empresa de aparelhos auditivos atende pacientes em domicílio durante pandemia

Alunos do Colégio Salesiano São Gonçalo podem acompanhar aulas pela internet

Fonoaudióloga de Cuiabá alerta sobre limpeza de aparelhos auditivos no período de pandemia

O mundo é machista, mas quem mandam são elas

Gêmeos de Cuiabá são aprovados em três universidades federais

quinta-feira, 29 de outubro de 2020

José Medeiros pede a Moro que federalize caso Celso Daniel

Para Medeiros, inclui-se a necessidade da presença da PF na investigação após depoimento de Marcos Valério

O deputado federal por Mato Grosso, José Medeiros (Pode), oficiou o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, nos últimos dias, sugerindo a federalização do caso Celso Daniel – ex-prefeito de Santo André, morto em 2002.

 

Na justificativa de Medeiros, inclui-se a necessidade de presença da Polícia Federal na investigação diante do depoimento de Marcos Valério, operador do “mensalão do PT” e pessoa próxima aos membros da cúpula do partido, que tornou público o possível envolvimento do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva (PT). Segundo Valério, o ex-presidente seria o mandante do crime.

De acordo com Medeiros, os sete cadáveres ligados a investigação da morte de Celso Daniel, que por si só já tornava o caso um dos mais tenebrosos da história da política nacional, somam-se agora a possibilidade de envolvimento de uma das figuras mais emblemáticas do país, nos últimos anos, em um enredo quase cinematográfico.

Para o parlamentar, a fala de Valério e a solidez que o contexto lhe dá tirou o nome de Lula do universo da conspiração sobre o caso para incluir o líder petista como suspeito, criando a necessidade de apuração profunda e urgente.

“O que disse Valério quanto a comprar o silêncio do empresário Ronan Maria Pinto, que queria entregar Lula, encontra refúgio no depoimento do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente, que em 2015 disse à Lava Jato que contraiu empréstimo junto ao Banco Schahin e que R$ 6 milhões teriam ido para o PT de Santo André pagar chantagistas”.

“Nestor Cerveró também confirmou propina para calar bocas, ou seja, existe uma convergência enorme que pode apontar para alguém que se utilizou da influência da Presidência da República para se esconder da responsabilização de um crime desta gravidade. É assunto para a Polícia Federal e para a Procuradoria Geral da União (PGR)”, pontuou Medeiros.

Medeiros reitera a urgência do reforço na investigação para que o crime não entre em uma agenda histórica de assassinatos “famosos” nunca solucionados.

“Não podemos deixar uma barbaridade contra uma pessoa simplesmente virar uma lenda. A maior estrutura política do país pode ter sido usada para ocultar uma responsabilidade criminosa e isso, a meu ver, tira ainda mais o caso da esfera local, ou seja, de Santo André. O Ministério Público sustenta a tese de crime político e está cheio de elementos para isso. Muita gente que tinha esclarecimentos a dar já se foi, o Brasil não pode correr o risco de fechar esse caso e colocá-lo no arquivo como uma mancha de sua histórica. O tempo é o maior adversário”, comentou.

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Na tribuna, vereador chora e afirma que é vítima de perseguição

Leia em seguida

Jaime defende R$ 1 bi para MT e diz que FEX chega em dezembro