Notícias de Última Hora :

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

Empresa de aparelhos auditivos atende pacientes em domicílio durante pandemia

Alunos do Colégio Salesiano São Gonçalo podem acompanhar aulas pela internet

Fonoaudióloga de Cuiabá alerta sobre limpeza de aparelhos auditivos no período de pandemia

O mundo é machista, mas quem mandam são elas

Gêmeos de Cuiabá são aprovados em três universidades federais

terça-feira, 20 de outubro de 2020

“Marreta” diz ter sido traído e confessa assassinato de líder do CV

Suspeito disse que cometeu homicídio por temer pela sua vida; caso aconteceu no dia 27 de outubro

O detento Luciano Mariano da Silva, conhecido como “Marreta”, confessou nesta segunda-feira (18) em depoimento prestado à Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que matou o companheiro de cela, Paulo César dos Santos, o “Petróleo”.

O crime ocorreu no dia 27 de outubro, na cela onde os dois ficavam na Penitenciária Central do Estado (PCE), dois dias após prestarem depoimento no Fórum de Cuiabá a respeito do processo relativo à Operação Assepsia, que desbaratou um esquema que facilitava a entrada de aparelhos celulares na PCE. Os dois se tornaram réus este ano no caso.

Acompanhado de seu advogado Rafael Winck, “Marreta” foi ouvido pelo delegado Caio Albuquerque, que questionou o envolvimento na morte do colega de cela. O suspeito foi enfático ao dizer: “Quem matou ele foi eu”.

 

Segundo “Marreta”, ainda durante o depoimento das testemunhas, ele percebeu que tudo que eles disseram batia exatamente com o que ele havia contado para “Petróleo”.

 

“Que somente na audiência de quarta e quinta-feira anteriores à localização do corpo [de Petróleo] é que “eu fiquei sabendo do regaço que ele tinha feito na minha vida”. Que não tinha dúvida de que Petróleo estava entregando, pois a versão das pessoas em juízo era exatamente a mesma daquilo que o interrogado havia conversado dentro de cela na companhia da vítima”, diz trecho do documento.

 

De acordo com “Marreta”, “Petróleo” ficava sabendo  de informações na rua e passava para a Rotam (Rondas Ostensivas Tático Móvel), que realizava a apreensão e prisão dos envolvidos .

 

O suspeito ainda contou que, após o depoimento, já de volta em sua cela na PCE, questionou a vítima a respeito dos depoimentos e ele teria se limitado a dizer: “Depois da visita nós conversa [sic]”.

 

No entanto, após a visita, os dois não conversaram mais e se declaram inimigos a partir dali. Afirmou ainda em seu depoimento que no dia do crime notou que quando todos já estavam deitados para dormir, “Petróleo” o observava, causando-lhe desconforto.

 

“Que como a vítima já teria ameaçado o interrogado, com expressão ‘depois da visita nós conversa’, o interrogado não teve dúvida de que naquele dia ‘seria a morte’. Que o interrogado também passou a ‘cuidar’ da vítima”, disse.

Em detalhes, o detento diz que esperou todos dormirem e que, por volta das 23h, foi até o banheiro levando o lençol da sua cama e um vidro de perfume. E em seguida foi até a cama de “Petróleo”, passando o lençol ao redor de seu pescoço para asfixiá-lo.

 

Ele relatou ainda ter praticado quatro anos de artes marciais, o que teria facilitado mobilizar a vítima.

 

“Que conseguiu fazer com que a vítima inalasse o perfume, que arrastou a vítima até o banheiro. ‘Fui erguer ele na catraca’. Que essa catraca era feita com o próprio lençol. Que colocou a vítima emborcada sobre o vaso, com as costas para cima. Que pode afirmar que quando levou a vítima para o banheiro, ela já estava morta, o que tem condição de dizer ‘porque eu peguei no pulso dele’. Que ainda quando executava a vítima, pegou em seu pulso e viu que tinha batimento quando continuou o enforcamento até que cessasse os batimentos”, contou.

 

Voltou a dormir após o crime

 

Após o crime, Marreta relatou ter limpado o local, com intuito de eliminar suas digitais e fazer parecer um suicídio.

 

Em seguida foi para a sua cama. “Foi a única forma que eu consegui dormir naquela noite”, alegou.

 

No dia seguinte ele ainda encenou o encontro do corpo do colega de cela e disse: “Ó o cara aqui se suicidou”. Em seguida os agentes foram chamados e encontraram o corpo de Petróleo.

 

No depoimento, Marreta fez questão de ressaltar que cometeu o homicídio sozinho e não com a ajuda de outros detentos como era a suspeita.

 

“Os outros três presos que estavam lá são inocentes, o problema é entre Petróleo e Marreta. Que pode afirmar que a vítima não tinha problema com os outros três, mesmo porque estes passaram a ocupar o cubículo 20 dias antes dos fatos”.

 

Ele ainda negou ser membro do Comando Vermelho e afirmou ter matado a vítima somente por temer pela sua vida.

 

O delegado também questionou se o suspeito considerava a vítima como um amigo antes do crime, e ele respondeu que o tinha como um irmão até o dia da audiência.

 

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Torneios estaduais de tênis começam nesta quarta em Cuiabá

Leia em seguida

Azul quer operar voo entre MT e Bolívia