Notícias de Última Hora :

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

Empresa de aparelhos auditivos atende pacientes em domicílio durante pandemia

Alunos do Colégio Salesiano São Gonçalo podem acompanhar aulas pela internet

quinta-feira, 26 de novembro de 2020

Emanuel cria o “bolsa-família” cuiabano com custo de R$ 1 milhão

Famílias poderão receber o benefício durante um ano; ainda não há data para inscrição

O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) sancionou a lei que cria o programa “Cuidando da Gente”, de transferência de renda para famílias carentes de Cuiabá, nos moldes do Bolsa Família. A previsão de gastos com o programa é de R$ 1 milhão ao ano.

A sanção da lei, de autoria do Executivo e aprovada pela Câmara, foi assinada na sexta-feira (22), mas publicada no Diário Oficial de Contas nesta quarta-feira (27).

Conforme consta na publicação, as famílias que se cadastrem no programa poderão receber mensalmente até um salário mínimo, que atualmente está em R$ 998. O período descrito para o benefício é de no máximo um ano.

“Devendo após tal período ser realizado pelo beneficiário, requerimento expresso de prorrogação, momento em que a Secretariade Assistência Social e Desenvolvimento Humano verificará a manutenção dos requisitos para o recebimento do benefício”, consta no texto.

A previsão da secretaria é que já no ano que vem as famílias comecem a se cadastrar.

Isso porque a regulamentação do Cuidando da Gente deve ser feita por meio de um decreto, cuja publicação ainda não tem data para acontecer. A regulamentação deverá trazer regras específicas do programa, como o prazo para as famílias se cadastrarem e até a faixa de renda na qual elas devem estar enquadradas.

 

De acordo com o projeto, o objetivo do projeto é “potencializar” a assistência social aos mais carentes em sua gestão.

 

“Queremos promover a inclusão e a justiça social. Continuaremos executando obras como temos feito, mas esse programa tem o foco no social, na humanização, na valorização dos mais humildes, mais carentes e vulneráveis, que é o conceito da nossa gestão”, afirmou o prefeito.

 

O programa

 

O programa engloba famílias que se enquadram no perfil de três projetos. São eles: Solidariedade em Ação, Xás Criança e Mais Medicamentos.

 

O primeiro projeto é destinado à transferência de renda para filhos menores de idade cuja mãe tenha sido vítima de feminicídio (assassinadas pelo fato de ser mulher).

 

O Xás Criança é voltado para as famílias que têm crianças em idade de creche e pré-escola com o objetivo de incentivar o acesso à rede de serviços públicos municipais, em especial de educação, saúde e assistência social.

 

Já o projeto Mais Medicamentos prevê o auxílio para pessoas com 65 anos ou mais para aquisição de medicamentos não oferecidos pelo poder público.

 

O recurso para custear o programa, segundo a portaria, já está inserido na Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2020 apresentada na Câmara dos Vereadores.

 

Conforme o secretário municipal de Planejamento, Zito Adrien, a LOA prevê R$ 1 milhão para o programa em 2020. “Mas poderá receber acréscimo durante o ano, dependendo da sua evolução e necessidade”, afirmou Adrien.

 

Conforme a lei, já para 2019, a Prefeitura de Cuiabá está autorizada a realizar suplementação orçamentária de R$ 300 mil para o programa.

 

 

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Ferrovia; Com concessão renovada, trilhos devem chegar até Cuiabá, diz Governo

Leia em seguida

Cientistas se aproximam da cura do Alzheimer com novo achado