Notícias de Última Hora :

Dia do fonoaudiólogo: entenda a importância desse profissional no ambiente hospitalar

Profissionalismo e dedicação marcam 20 anos de profissão da fonoaudióloga Samia Ribeiro

Chapa 2 Integração protocola pedido para que profissionais da contabilidade tenham férias fiscais em MT

Adrenalina, desafios e diversão te esperam no Halloween da Escape60, em Cuiabá

Encontro automobilístico “Esperienza” supermáquinas entra para o calendário de eventos em Mato Grosso

Experiência única de recreação e entretenimento: Conheça o Escape60′

Fotógrafo vem a MT para ensaios que levantam autoestima de mulheres

Aparelho auditivo com “modo máscara” é alternativa que possibilita a comunicação com a proteção facial

Professora da UFMT recebe moção de aplausos em homenagem ao Dia do Contador

Escape 60′ oferece desconto para confraternização corporativa de fim de ano

Jogo de fuga cercado de desafios, mistérios e adrenalina: conheça o Escape60′

Feira gratuita ajuda jovens a cursarem faculdades fora do país

Municípios precisam de representatividade na Assembleia Legislativa

Dia do Estudante tem programação especial em escola de Cuiabá

Justiça reconhece que concessionária não é responsável solidária em processo de indenização por defeito de carro

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

segunda-feira, 17 de janeiro de 2022

MPF denuncia índios por morte de dupla que não pagou “pedágio”

Os três indígenas da etnia enawenê-nawê devem ser julgados por homicídio e cárcere privado

O Ministério Público Federal em Mato Grosso (MPF/MT) apresentou denúncia contra três indígenas da etnia enawenê-nawê, oriundos da aldeia Halaytakwa, por cárcere privado e homicídio, ocorrido em dezembro de 2015.

Das três vítimas sequestradas e encarceradas, duas foram torturadas e mortas. Os nomes, tanto das vítimas quanto dos acusados, não serão divulgados pelo fato do processo estar sob sigilo judicial. Dentre os pedidos requeridos pelo MPF na denúncia está o levantamento do sigilo do caso.

De acordo com a denúncia feita pelo MPF/MT, duas das vítimas estavam em uma caminhonete Ford trafegando pela BR-174, no sentido de Rondônia, quando romperam um bloqueio que havia sido feito pelos indígenas para cobrar pedágio.

Logo em seguida, duas caminhonetes saíram em perseguição às vítimas, que foram capturadas em um segundo pedágio por um grupo de aproximadamente sete indígenas. Em seguida, foram levadas para aldeia Halaytakwa, localizada próximo a cidade de Juína, distante aproximadamente 730 quilômetros de Cuiabá.

Enquanto se deslocavam para a aldeia, os indígenas e as vítimas cruzaram com a terceira vítima, servidor da Funai, que naquele momento acompanhava uma equipe do Governo estadual nas obras de cascalhamento da estrada que liga a aldeia até a rodovia.

Ao ver as vítimas amarradas na carroceria da caminhonete, o servidor tentou dissuadir os indígenas de levar os homens para a aldeia, mas sim para a cidade e entregá-los à Polícia Civil. Nesse momento, o servidor também foi forçado, junto ao seu veículo, a ir para a aldeia.

No local, os servidores do Posto de Saúde indígena até tentaram prestar socorro às duas vítimas, mas aproximadamente 100 índios cercaram a edificação e levaram os homens para um outro prédio, onde os amarraram e os torturaram, com apedrejamento, ataques com borduna e queimaduras com madeira incandescente.

Nesse momento, o servidor conseguiu avisar seu superior sobre o que estava acontecendo na aldeia. Em seguida, mais uma vez tentou negociar com os indígenas para a soltura das vítimas.

Durante aproximadamente 40 minutos, cerca de 300 indígenas se reuniram para discutir a entrega das vítimas para a Polícia Civil, que as entregaria posteriormente à Polícia Federal.

Por fim, foi decidido que as vítimas seriam levadas para a delegacia de Polícia Civil em Juína. Cada um dos sequestrados foi em uma caminhonete, acompanhados por indígenas.

O servidor foi em uma das caminhonetes com uma das vítimas. No trajeto até a cidade, os indígenas pararam os veículos e executaram os dois homens, liberando em seguida o servidor público sob ameaças de morte a ele e a família.

Conforme o MPF, no texto da denúncia, “é necessário registrar a gravidade do duplo homicídio qualificado realizado pelos denunciados. O modo como realizado, com a estratégia e a incitação de toda a comunidade indígena, sem dizer da oferta pelo ofendido (…) para possibilitar a entrega dos demais ofendidos mortos à Polícia de Juína, revelam a intensa e grave culpabilidade dos denunciados. Além disso, como consequência do crime, vê-se o abalo realizado na sociedade, bem como, no caso do sequestro do servidor público federal (…), o seu relato das graves consequências psicológicas. Por fim, segundo os relatos extraídos dos autos, as circunstâncias iniciais dos crimes ocorreram com pedágios ilícitos realizados (…)”, ressaltou.

Por fim, o MPF requereu o recebimento e autuação da denúncia para que seja instaurada a ação penal pública, para que, posteriormente, os denunciados sejam pronunciados para serem levados ao Tribunal do Juri.

Ler Anterior

A corrida contra minha morte

Leia em seguida

Casal é preso suspeito de matar jovem e jogar corpo em trilha