Notícias de Última Hora :

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

Empresa de aparelhos auditivos atende pacientes em domicílio durante pandemia

Alunos do Colégio Salesiano São Gonçalo podem acompanhar aulas pela internet

Fonoaudióloga de Cuiabá alerta sobre limpeza de aparelhos auditivos no período de pandemia

O mundo é machista, mas quem mandam são elas

Gêmeos de Cuiabá são aprovados em três universidades federais

domingo, 25 de outubro de 2020

Daqui a algum tempo preço da carne vai baixar, diz Bolsonaro

Em conversa com apoiadores, presidente classifica subida de preços como “pequena crise”

Diante a elevação do preço da carne devido ao boom de importação da China, o presidente Jair Bolsonaro disse a apoiadores neste sábado (30) que o valor cairá “daqui a algum tempo”.

Ao chegar ao Palácio da Alvorada no fim da tarde, Bolsonaro não falou com os jornalistas, mas desceu do carro para falar com pessoas que o aguardavam sob uma leve chuva, em uma área cujo acesso é proibido à imprensa.

Um dos apoiadores se identificou como pecuarista de Goiás e agradeceu ao presidente a elevação do preço da arroba do boi, afirmando que, graças ao aumento, os produtores estavam podendo investir.

“Presidente, o senhor vai ficar na história. O que aconteceu conosco, desses 60 dias para cá, vai ficar na história do Brasil. Com este aumento da arroba que está hoje, isso, para nós que somos pecuaristas, vai entrar para a história”, insistiu o homem.

“Tivemos uma pequena crise agora, mas vai melhorar”, afirmou Bolsonaro.

O presidente em entrevista na porta do Palácio do Alvorada, diante de um grupo de apoiadores, quando disse que “Eu não quero ler a Folha mais. E ponto final. E nenhum ministro meu. Recomendo a todo Brasil aqui que não compre o jornal Folha de S.Paulo. Até eles aprenderem que tem uma passagem bíblica, a João 8:32 [E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará]. A imprensa tem a obrigação de publicar a verdade. Só isso. E os anunciantes que anunciam na Folha também.”

 

“A carne aqui, internamente, daqui a algum tempo, acho que vai diminuir o preço”, disse o presidente ao pecuarista.

Em seguida, Jair Bolsonaro voltou-se aos demais apoiadores, “para deixar bem clara a questão do preço da carne”.

O presidente disse que se trata da lei da oferta e da procura e que não pode interferir nos preços.

“Eu não posso tabelar, inventar. Não vai dar certo”, afirmou o presidente.

As importações de carnes do Brasil para China subiram e a arroba do boi foi elevada nas últimas semanas, o que levou o repasse a chegar nas gôndolas.
A tendência é que o movimento de alta deve continuar, pressionando os preços para as festas de fim de ano.

A Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), que faz pesquisa de preços semanalmente no município de São Paulo, apontou que, na segunda quadrissemana de novembro (acumulado em 30 dias), as carnes bovinas subiram, em média, 4,2%.

O contrafilé, por exemplo, subiu 5,86%, e a alcatra 3,63%. A picanha subiu menos, 0,32%. Os dados foram divulgados no último dia 19.

O mercado de boi tem refletido a alta demanda para a exportação. Recentemente, os preços em São Paulo atingiram máximas nominais, de R$ 166,50 por arroba, superando recordes de abril de 2016, segundo levantamento do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada).

Além de russos e chineses, que vêm realizando a habilitação de mais frigoríficos brasileiros para exportação, novos mercados ganharam espaço no setor de carnes do país, como Turquia e Indonésia.

Em uma transmissão ao vivo pelas redes sociais na quinta-feira (28), Bolsonaro já havia dito que seu governo não pretende tomar medidas de controle de preço.

“A China perdeu metade da sua população de porcos [para a gripe suína]. Hoje em dia metade da população já é urbana, e 1/3 é de classe média. Agora, o preço da carne da China, quem compra lá, fazendo a transformação da moeda lá daqui, é mais cara que aqui. Agora, não podemos tomar medidas aqui que não deram certo em nenhum lugar do mundo: tabelar preços, obrigar a exportar menos. É a livre concorrência, daqui a pouco volta ao normal”, disse na quinta.

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Senado deve votar isenção de ICMS para igrejas nesta terça

Leia em seguida

Pesquisadora: Cuiabá, VG e Rondonópolis têm células neonazistas