Notícias de Última Hora :

Dia do fonoaudiólogo: entenda a importância desse profissional no ambiente hospitalar

Profissionalismo e dedicação marcam 20 anos de profissão da fonoaudióloga Samia Ribeiro

Chapa 2 Integração protocola pedido para que profissionais da contabilidade tenham férias fiscais em MT

Adrenalina, desafios e diversão te esperam no Halloween da Escape60, em Cuiabá

Encontro automobilístico “Esperienza” supermáquinas entra para o calendário de eventos em Mato Grosso

Experiência única de recreação e entretenimento: Conheça o Escape60′

Fotógrafo vem a MT para ensaios que levantam autoestima de mulheres

Aparelho auditivo com “modo máscara” é alternativa que possibilita a comunicação com a proteção facial

Professora da UFMT recebe moção de aplausos em homenagem ao Dia do Contador

Escape 60′ oferece desconto para confraternização corporativa de fim de ano

Jogo de fuga cercado de desafios, mistérios e adrenalina: conheça o Escape60′

Feira gratuita ajuda jovens a cursarem faculdades fora do país

Municípios precisam de representatividade na Assembleia Legislativa

Dia do Estudante tem programação especial em escola de Cuiabá

Justiça reconhece que concessionária não é responsável solidária em processo de indenização por defeito de carro

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

segunda-feira, 17 de janeiro de 2022

MPE aponta que na gestão Silval só quem pagava propina recebia em dia no Estado

Ao todo, o MPE pede indisponibilidade de R$ 2,7 milhões dos denunciados

No meio do atraso geral dos pagamentos de contratos firmados entre o governo do Estado e as empresas nos tempos em que o Palácio Paiaguás era ocupado por Silval Barbosa, somente uma empresa recebia em dia, não importa o que acontecesse: a Sal Locadora de Veículos Ltda. Isso era garantido pelo então secretário de Administração, Pedro Elias Domingos de Mello.

O motivo? É de lá que saíam propinas até um montante de até 15% sobre os mais de R$ 6,477 milhões .

Os fatos são apontados na denúncia do MPE (Ministério Público Estadual), através do promotor Arnaldo Justino. “Não se pode olvidar que pela prática do ato também respondem solidariamente todos os que deles participaram, ainda que particulares. Ademais, devem também ser responsabilizados pelos prejuízos causados aos cofres públicos tanto Alexsandro Neves Botelho, sócio-administrador da contratada, quanto sua empresa, a beneficiária SAL Locadora de Veículos, nos termos do artigo 3º da Lei 8.429/92”, consta.

Conforme o texto do MPE, durante as investigações ficou comprovado que Rodrigo da Cunha Barbosa aproveitou-se da condição de filho do ex-governador Silval Barbosa (sem partido) para — em conluio com o então secretário Pedro Elias, “no exercício de suas funções, um aderindo à vontade do outro” — juntos praticarem ato de improbidade administrativa em benefício próprio.

“Eles solicitavam e recebiam vantagem indevida de Alexsandro Neves Botelho, com a promessa de que não haveria atrasos no pagamento dos contratos de locação de veículos mantidas pela Sal Locadora, empresa de propriedade e administrada por este último. De fato, Alexsandro, representando a empresa Sal Locadora, pagou vantagem indevida a Pedro Elias, este na condição de secretário de estado de administração, e Rodrigo da Cunha Barbosa, ensejando o enriquecimento ilícito com enriquecimento ilícito do agente público e do filho do governador, conforme exposto”, consta em trecho da denúncia.

O dinheiro era entregue em sacolas ou mochilas pelo empresário ao filho médico do ex-governador no estacionamento do prédio onde ele mora ou mesmo no apartamento dele, onde era livremente recebido após passar pela portaria. O pagamento era sempre em espécie.

 

Ao todo, o MPE pede indisponibilidade de R$ 2,7 milhões dos denunciados. O Judiciário ainda não se manifetou sobre o pedido.

Ler Anterior

Ludmilla é acusada de fazer apologia às drogas

Leia em seguida

Criminosos fazem família refém em sítio e usam bebê