Notícias de Última Hora :

Atleta olímpico participa de jogo de fuga em Cuiabá

Dia do fonoaudiólogo: entenda a importância desse profissional no ambiente hospitalar

Profissionalismo e dedicação marcam 20 anos de profissão da fonoaudióloga Samia Ribeiro

Chapa 2 Integração protocola pedido para que profissionais da contabilidade tenham férias fiscais em MT

Adrenalina, desafios e diversão te esperam no Halloween da Escape60, em Cuiabá

Encontro automobilístico “Esperienza” supermáquinas entra para o calendário de eventos em Mato Grosso

Experiência única de recreação e entretenimento: Conheça o Escape60′

Fotógrafo vem a MT para ensaios que levantam autoestima de mulheres

Aparelho auditivo com “modo máscara” é alternativa que possibilita a comunicação com a proteção facial

Professora da UFMT recebe moção de aplausos em homenagem ao Dia do Contador

Escape 60′ oferece desconto para confraternização corporativa de fim de ano

Jogo de fuga cercado de desafios, mistérios e adrenalina: conheça o Escape60′

Feira gratuita ajuda jovens a cursarem faculdades fora do país

Municípios precisam de representatividade na Assembleia Legislativa

Dia do Estudante tem programação especial em escola de Cuiabá

Justiça reconhece que concessionária não é responsável solidária em processo de indenização por defeito de carro

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

sexta-feira, 28 de janeiro de 2022

Empresa terá que pagar R$ 15 mil a estudante expulso de ônibus

Menor portava ofício em que escola informava que máquina de carregar cartão apresentava problemas

A empresa Expresso Norte e Sul foi condena a indenizar, em R$ 15 mil, por dano morais, um estudante que foi expulso pelo motorista de um ônibus da linha 508B do Bairro Osmar Cabral.

A decisão, publicada na segunda-feira (2) , é do juiz Yale Sabo Mendes, da Sétima Vara Cível.

De acordo com a ação, o caso ocorreu no dia 5 de agosto de 2015. A mãe do menor contou que, por ele ser estudante, possuía gratuidade no uso do transporte público.

No entanto, conforme ela, no dia do ocorrido, a escola em que ele estudava à épca, Estevão Alves de Correa, estava com problema nas máquinas de carregar os cartões dos alunos, motivo pelo qual a unidade entregou um comunicado aos estudantes para apresentarem aos motoristas.

“Aduz que o motorista da empresa ré da linha 508 B do Bairro Osmar Cabral constrangeu o menor e determinou que o menor saísse do ônibus deixando-o no período noturno sozinho na Avenida das Torres”, diz trecho da ação.

 

A empresa se manifestou nos autos afirmando que a Escola não informou à Associação Mato-grossense de Transportes Urbanos AMTU sobre o problema nas máquina de carregar o cartão.

 

Alegou ainda que o menor não sofreu qualquer tipo de abuso ou humilhação, até porque, segundo a empresa, ele estuda pela manhã e não teria como utilizar o cartão estudantil a noite.

 

Em sua decisão, o juiz rechaçou os argumentos da empresa. Destacou que o atestado de escolaridade do menor demostra que ele estava matriculado no ano de 2015 no turno vespertino.

 

Ainda segundo Yale Sabo Mendes, ficou devidamente comprovado que a própria instituição de ensino emitiu comunicado no dia 5 de agosto de 2015 informando acerca dos problemas as máquinas de carregar os cartões estudantis.

 

“Independentemente do grau de culpa, sendo suficiente a prova da existência do fato decorrente de uma conduta injusta, o que restou devidamente comprovado, quando a parte Requerida veio a falhar, ou seja, quando de forma grosseira, estupida e indelicada, submeteu o Requerente à situação vexatória, ao impedir o ingresso do menor, o deixando no ponto de ônibus à noite”, afirmou o juiz.

 

“Portanto, restou-se demonstrado que a atitude de descaso da requerida permitindo que o cliente/usuário passasse por constrangimentos, isso, por si só, já caracterizou o dano moral”, acrescentou o magistrado.

Ler Anterior

Prefeitura retoma obras na Avenida Coxipó Mirim

Leia em seguida

Homem é preso após matar mulher e comer cérebro dela com arroz