Notícias de Última Hora :

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

quinta-feira, 28 de janeiro de 2021

Mendes: “Prometi, mas lamento; decisão do VLT levará mais tempo”

Governador afirmou que decisão deve ser tomada até final do primeiro semestre de 2020

O governador Mauro Mendes (DEM) lamentou não ter cumprido a promessa de decidir o futuro do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) até o final do primeiro ano de sua gestão.

Segundo ele, uma série de empecilhos encontrados impediu que a decisão fosse tomada ainda este ano. Em entrevista à rádio Capital FM, na sexta-feira (13), o democrata disse esperar que a solução seja encontrada até o final do primeiro semestre de 2020.

“Eu realmente disse que em até um ano daria uma solução. Peço desculpas. Não foi possível. Nós criamos uma comissão e tivemos que colocar o Governo Federal, porque tem verba federal, tem financiamento feito pela Caixa Econômica”, disse.

“Apertei muito a minha equipe. Não é uma decisão que o governador acorda inspirado e toma. Isso tem que ter um estudo técnico. Eu quero fazer isso, seguramente, até o primeiro semestre do ano que vem. Eu já fui no “pescoço” dos meus técnicos. Também fiquei irritado. Mas não posso exigir deles que tomem uma decisão sem consistência só porque falamos que tomaríamos uma decisão até o final do primeiro ano”, acrescentou.

Até o momento, a obra já consumiu mais de R$ 1 bilhão. Mensalmente, o Executivo gasta com parcelas do empréstimo feito para a realização da obra.

 

Segundo Mendes, um novo estudo foi encomendado para saber quanto a tarifa deve custar em Cuiabá e Várzea Grande, caso a obra seja concluída. Atualmente, a passagem de ônibus na Capital custa R$ 4,10.

 

O democrata disse que sua decisão será baseada em dados técnicos e não políticos.

 

“Este problema está judicializado. Tem três ações na Justiça. Duas delas com o Ministério Público Estadual e Federal. É uma solução complexa. Então, estamos dizendo, com seriedade, que estamos trabalhando, estamos estudando”, afirmou.

 

“Não estamos fazendo como foi feito no passado, em que toda hora anunciava a retomada da obra. Nós não vamos ficar com mentiraiada. Estamos estudando o problema e queremos resolver o mais rápido possível. Mas com verdade, com dados, com números, para poder explicar para a sociedade e para todos os atores”, completou.

 

A obra

 

Iniciadas em 2012, as obras do VLT estão paradas desde dezembro de 2014. Até então, apenas 6 km dos 22 km dos trilhos foram concluídos.

 

Orçado em R$ 1,477 bilhão – dos quais R$ 1,066 bilhão já foram aplicados, segundo dados da data base de maio de 2012 -, o contrato com o Consórcio VLT Cuiabá-Várzea Grande foi rescindido pelo Governo do Estado após a Operação Descarrilho – deflagrada pela Polícia Federal em agosto de 2017 – que apontou indícios de irregularidades no acordo.

 

Além disso, o Governo instalou processo administrativo para apurar possíveis infrações contratuais e prometeu lançar uma nova licitação para a obra.

 

Enquanto isso, os 42 vagões vão se deteriorando no Centro de Controle Operacional e Manutenção, que fica próximo ao Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande. Comprados quando a obra foi iniciada, os materiais rodantes custam ao Governo cerca de R$ 16 milhões por mês para manutenção.

 

 

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Maluf toma posse como presidente do TCE na segunda-feira

Leia em seguida

Adolescente é estuprada e mantida em cárcere; 5 são presos