Notícias de Última Hora :

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

Empresa de aparelhos auditivos atende pacientes em domicílio durante pandemia

Alunos do Colégio Salesiano São Gonçalo podem acompanhar aulas pela internet

segunda-feira, 30 de novembro de 2020

Maioria dos apoiadores de Bolsonaro aprova saída do PSL

A pesquisa ouviu 2.948 pessoas nos últimos dias 5 e 6 em 176 municípios pelo país

A maioria dos eleitores que declaram voto em Jair Bolsonaro nas eleições de 2018 aprova a decisão do presidente de sair do PSL, partido pelo qual foi eleito, e criar uma nova sigla, a Aliança pelo Brasil, aponta a mais recente pesquisa Datafolha.

Segundo o levantamento, 57% dos entrevistados que declaram ter votado em Bolsonaro aprovam a empreitada político-partidária do presidente; 27% a desaprovam. Nesse grupo, os indiferentes são 9% e os que não sabem, 7%.

O aval à decisão de Bolsonaro também é maior entre os que consideram seu governo ótimo ou bom. Nessa fatia da população, 68% aprovam a investida do presidente.

Segundo o instituto, a taxa de aprovação à sua administração oscilou de 29% para 30% na primeira semana de dezembro, dentro da margem de erro do levantamento, que é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Nas faixas de renda mais alta (cinco a dez salários mínimos e mais de dez salários), 43% dos entrevistados aprovam a saída de Bolsonaro do PSL. Entre os que têm renda familiar de até dois salários mínimos por mês, são 34%.

Apesar de os números indicarem que Bolsonaro mantém uma base fiel, independentemente do partido a que esteja filiado, o Datafolha também mostra que grande parte dos brasileiros não está acompanhando o movimento político do presidente.

De acordo com a sondagem, a maioria da população (55%) não tomou conhecimento da decisão de Bolsonaro de deixar o PSL e de seu plano de criar um novo partido.

A pesquisa ouviu 2.948 pessoas nos últimos dias 5 e 6 em 176 municípios pelo país.

A saída de Bolsonaro do partido que o alçou ao Planalto se deu após semanas de embate dentro do PSL. Em meados de outubro, a sigla se dividiu entre os mais fiéis aliados de Bolsonaro e uma ala que apoia o presidente da legenda, o deputado federal Luciano Bivar (PSL-PE).

A crise dentro do partido foi escancarada por Bolsonaro no início daquele mês, ao dizer a um apoiador que Bivar estava “queimado pra caramba”.

“Esquece o PSL, esquece o PSL, tá OK?”, cochichou o presidente no ouvido de apoiador que momentos antes se disse do Recife e pré-candidato do PSL. As declarações causaram reação imediata na legenda, que já passava por uma disputa interna de poder.

O PSL está no centro de um escândalo, revelado pela Folha de S.Paulo, que envolve o uso de verbas públicas por meio de candidaturas de laranjas em Minas Gerais e Pernambuco.

Embora Bolsonaro sinalizasse a pessoas próximas que a situação no partido estava insustentável, sua decisão de sair do PSL se arrastou por semanas.
A possibilidade de ficar sem partido não era descartada pelo presidente, mas a avaliação de aliados sempre foi a de que o apoio formal de um grupo político é fundamental para o chefe do Executivo.

Havia dúvidas, no entanto, se a criação de um novo partido não geraria desgaste a Bolsonaro –uma vez que o número excessivo de agremiações no país é alvo de críticas.

Os dados do Datafolha indicam, entretanto, que no caso específico de Bolsonaro há uma divisão entre os brasileiros. Segundo o levantamento, 41% dos entrevistados desaprovam o movimento de Bolsonaro de sair do PSL e criar a Aliança, ante 38% que o aprovam. Disseram ser indiferentes 13%, e não saber 9%.
Em meio a incertezas sobre a viabilidade política da Aliança pelo Brasil, o novo partido de Bolsonaro foi lançado oficialmente no dia 21 de novembro, em Brasília, com forte apelo ao discurso de cunho religioso, à defesa do porte de armas e de repúdio ao socialismo e ao comunismo.

O documento que vai nortear a atuação da Aliança defende, por exemplo, “o lugar de Deus na história e na alma do povo brasileiro”, e diz que a “laicidade do Estado jamais significou ateísmo obrigatório, como ocorre em regimes autoritários que perseguem a religião”.

De acordo com o texto, o partido é “ciente de que o povo brasileiro acredita que Deus é o garantidor do verdadeiro desenvolvimento humano” e que “a relação entre a nação e Cristo é intrínseca, fundamental e inseparável”.

Segundo o Datafolha, 43% dos evangélicos aprovam a saída de Bolsonaro do PSL e a criação da Aliança. Entre os católicos, 37% apoiam.

É justamente na fatia evangélica da população que o presidente aposta para conseguir tirar sua sigla do papel.

São necessárias 491.967 assinaturas em ao menos 9 estados, todas validadas pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), para a Aliança ser criada –tornando-se, assim, a nona sigla de Bolsonaro em sua carreira política.

Líderes de igrejas pentecostais e neopentecostais alinhados à agenda de Bolsonaro já se colocaram à disposição da empreitada do presidente, que ainda busca brechas na Justiça Eleitoral para chegar às eleições com recursos dos fundos partidário e eleitoral e com tempo de rádio e TV.

Nesse contexto, como mostrou a Folha de S.Paulo, Bolsonaro aposta na atuação da PGR (Procuradoria-Geral da República) para garantir que um grupo de cerca de 20 deputados migre do PSL para a nova legenda, mantendo os mandatos e as respectivas fatias da verba pública.

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

PIB de Cuiabá chega a R$ 23 bi; Rondonópolis está à frente de VG

Leia em seguida

Contas de Taques serão votadas nesta semana pela Assembleia