Notícias de Última Hora :

Justiça reconhece que concessionária não é responsável solidária em processo de indenização por defeito de carro

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

domingo, 1 de agosto de 2021

Grupo Galvão diz ter pago R$ 40 mi a Galindo por concessão de água e esgoto

Os irmãos Dario de Queiroz Galvão Filho e Mario de Queiroz Galvão confirmaram o pagamento de R$ 40 milhões em propina ao ex-prefeito de Cuiabá Chico Galindo (PTB) para que a concessão do serviço de água e esgoto fosse direcionada ao Grupo Galvão, dono da CAB Cuiabá, em 2011. Eles estão entre os executivos do grupo empresarial que fecharam acordos de colaboração premiada na Operação Lava Jato.

A informação consta no andamento de um inquérito que tramita na 7ª Vara Criminal de Cuiabá e é conduzido pela Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Contra Administração Pública (Defaz). No total, três inquéritos da especializada apuram o suposto pagamento de valores ilegais e suposta fraude à licitação envolvendo o ex-prefeito.

O último deles, instaurado em fevereiro de 2019, traz as informações prestadas pelos irmãos Galvão sobre o esquema. O juiz Jorge Luiz Tadeu Rodrigues, da 7ª Vara Criminal, determinou que os inquéritos devem ser apensados e os colocou sob sigilo. A decisão é de 10 de dezembro. Outro inquérito apura a participação de funcionários das empresas.

A informação inicial no processo, prestada por uma fonte anônima não revelada, era de que R$ 100 milhões haviam sido pagos por funcionários do Grupo Galvão para que a licitação fosse fraudada.

“A quantia teria sido paga por intermédio de diversas pessoas jurídicas indicadas pelo prefeito de Cuiabá, a época dos fatos, o sr. Francisco Galindo. As investigações apontaram que o objetivo da propina era o direcionamento da licitação para Concessão do Serviço de água e esgoto em Cuiabá, na qual a empresa beneficiada foi a CAB – Cuiabá”, diz trecho da decisão do magistrado.

O pagamento de vantagem indevida teria sido feito por meio de emissão de notas fiscais de serviços emitidas pelas empresas Eletroconstrol/Nhambiquaras, Três Irmãos Engenharia Ltda, e HL Construtora, em nome do Grupo Galvão.

A Concorrência Pública 014/2011 causou polêmica à época, com diversos embates na Câmara Municipal, que autorizou a licitação a pedido de Galindo. O Grupo Galvão entrou em crise depois de ser envolvido na Operação Lava Jato e entrou em recuperação judicial, tendo repassado os serviços de água e esgoto de Cuiabá ao grupo RK Partners, que criou a Águas Cuiabá, atual administradora da concessão.

As investigações sobre a propina na concessão tramitam sob coordenação Defaz. O sigilo nos inquéritos foi decretado pelo magistrado a pedido do Ministério Público Estadual (MPE)

Ler Anterior

Salesianos são homenageados na Câmara Municipal de Cuiabá

Leia em seguida

Witzel compara Bolsonaro ao ‘maluco lá da Venezuela’ e critica Guedes e o neoliberalismo