Notícias de Última Hora :

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

Witzel compara Bolsonaro ao ‘maluco lá da Venezuela’ e critica Guedes e o neoliberalismo

O governador do Rio, Wilson Witzel, criticou o presidente Jair Bolsonaro e os rumos do governo federal em diferentes áreas, incluindo o “neoliberalismo” representado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Sobre a retórica de Bolsonaro, Witzel disse que ela se compara a discursos de líderes autoritários.

“Típico de (Alberto) Fujimori, (Recep Tayyip) Erdogan, o outro maluco lá da Venezuela… (Hugo) Chávez.” O governador citou o livro Como as Democracias Morrem para embasar sua crítica. “É um vocabulário (o de Bolsonaro) de quem não respeita a diversidade de opiniões”, disse.

Bolsonaro, de acordo com o antigo aliado, não se preparou para o cargo e não consegue conversar sobre economia e reformas, por exemplo. “Isso é evidente. A pauta dele é muito mais ideológica do que concreta”, afirmou Witzel.

Eleito na esteira do bolsonarismo em 2018, o mandatário fluminense entrou em atrito com a família presidencial desde que manifestou o desejo de concorrer à Presidência em 2022. A briga piorou com os desdobramentos da investigação sobre o assassinato de Marielle Franco.

Durante um café da manhã com a imprensa, convocado para apresentar um balanço do primeiro ano de gestão à frente do Palácio Guanabara, Witzel adotou uma linha que configura sua faceta mais moderada desde que assumiu o mandato. Após ser eleito, o governador chegou a falar, por exemplo, em “mirar na cabecinha” e atirar. A entonação bélica com o microfone em mãos deu lugar a uma fala mais sóbria e elucidativa.

Witzel destacou, ao esmiuçar seu atual projeto de Brasil, a importância de se pensar no social e criticou as propostas de Paulo Guedes — entre elas o pacto federativo, que estariam levando o País a uma “direção equivocada”.

Ao analisar a conjuntura da América do Sul, principalmente a convulsão social chilena, disse ainda que a política econômica de Guedes não pode pensar apenas na contenção de despesas, deixando de lado políticas de bem-estar. Guedes, contudo, é elogiado pelo governador por sua receptividade e pela capacidade de diálogo — o oposto, segundo ele, de Bolsonaro.

Apesar de tecer uma série de análises sobre o País, com discurso cada vez mais ao centro, Witzel não confirmou sua candidatura presidencial em 2022. “Sou candidato a governar bem o Rio de Janeiro”, desconversou. Como justificativa para falar tanto sobre o Brasil, lembrou que é presidente de honra do seu partido, o PSC, e que por isso é uma liderança nacional.

FUSÃO DO PSC COM O PSL

O governador comentou, inclusive, que há uma proposta de fusão entre o PSC e o PSL, antigo partido de Bolsonaro. “Estamos analisando, vamos conversar. Temos que avaliar. O PSC tem uma tradição de longa data.”

Com posição ainda incerta sobre a eleição municipal do ano que vem na capital fluminense, Witzel garantiu que o PSC terá candidato próprio, mas não cravou um nome e balançou ao falar sobre a possibilidade de apoiar o ex-prefeito Eduardo Paes (DEM). O governador tem elogiado o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, que é do Rio e correligionário de Paes. O DEM está na base do governo estadual, apesar de Witzel ter disputado com o ex-prefeito o segundo turno da eleição do ano passado.

Além de abordar temas políticos, Witzel comentou dados e fez um balanço do primeiro ano de gestão. Apesar de a segurança pública ser a principal bandeira do governador, ela não teve tanto protagonismo na conversa — o governador não comemoroucom veemência ações policiais nem citou números superlativos. Em um momento que ilustra a tentativa de dar essa guinada na sua imagem, o mandatário lamentou as mortes decorrentes de ações nas favelas.

No café com os jornalistas, que durou mais de uma hora, o governador do Rio sentou entre quatro figuras-chave de sua gestão. De um lado, a esposa Helena Witzel, muito presente nos bastidores do Palácio Guanabara, e o secretário de Governo e Relações Institucionais, Cleiton Rodrigues; do outro, o vice-governador, Cláudio Castro, e o secretário de Casa Civil, André Moura, braço político do governo e ex-deputado federal.

Witzel também foi perguntado sobre a crise da saúde no município do Rio, que tem emparedado o prefeito Marcelo Crivella (PRB). O governador disse que não pode emprestar dinheiro de modo inconsequente para a capital e esquecer de outros municípios, até porque o Estado está no Regime de Recuperação Fiscal. E foi justamente este o caminho sugerido por Witzel a Crivella: estudar a possibilidade de aderir ao Regime.

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Grupo Galvão diz ter pago R$ 40 mi a Galindo por concessão de água e esgoto

Leia em seguida

Vigia é morto com tiro na cabeça em obra de hospital na Capital