Notícias de Última Hora :

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

Empresa de aparelhos auditivos atende pacientes em domicílio durante pandemia

Alunos do Colégio Salesiano São Gonçalo podem acompanhar aulas pela internet

Fonoaudióloga de Cuiabá alerta sobre limpeza de aparelhos auditivos no período de pandemia

O mundo é machista, mas quem mandam são elas

Gêmeos de Cuiabá são aprovados em três universidades federais

terça-feira, 20 de outubro de 2020

TCE vê “contrato de risco” e barra licitação de R$ 3 milhões em MT

O prefeito de Lucas do Rio Verde, Flori Luiz Binotti, está impedido de contratar a Cooperativa de Trabalho Rio Verde, ou qualquer outra cooperativa, até que seja proferida decisão de mérito de uma Representação de Natureza Interna movida pela empresa Grabin Obras e Serviços Urbanos contra a prefeitura. A decisão é do conselheiro interino do Tribunal de Contas de Mato Grosso Isaias Lopes da Cunha, que determinou a suspensão de todos os atos referentes ao Pregão Presencial nº 124/2019.

O objeto do certame, no valor de R$ 3,213 milhões, consiste na formalização de ata de registro de preços para futura e eventual contratação de pessoa jurídica especializada na prestação de serviços de mão de obra de apoio às atividades operacionais subsidiárias, asseio e conservação dos prédios e locais públicos do município de Lucas do Rio Verde.

Na representação, a Grabin alegou ser ilegal a não vedação de participação de Cooperativas de Trabalho em licitação que objetiva a contratação de mão de obra terceirizada, tendo em vista que haveria subordinação entre os cooperados  e a respectiva cooperativa.

Segundo a empresa, após a abertura da Sessão Pública, participaram três cooperativas de trabalho, porém, foi declarada vencedora do certame a empresa individual de responsabilidade limitada Bob Esponja Transporte e Prestação de Serviços Eireli.

A Grabin relatou, ainda, que na data de 13/12/2019, de acordo com informativo que convocou a retomada da Sessão Pública da referida licitação, foram desclassificadas a primeira e a segunda colocadas, tendo sido convocada a Cooperativa de Trabalho Rio Verde, para análise de documentação e habilitação, agendada para o dia 17/12/2019.

Em razão disso, a empresa requereu a concessão de medida acautelatória, para que o Município de Lucas do Rio Verde efetue a suspensão de todos os atos referentes ao Pregão Presencial nº 124/2019, Registro de Preços nº 100/2019.II.

Na decisão, o conselheiro interino Isaias Lopes citou entendimento do Tribunal de Contas da União, em conformidade com a Súmula 281, que veda a participação de cooperativas em licitação quando, “pela natureza do serviço ou pelo modo como é usualmente executado no mercado em geral, houver necessidade de subordinação jurídica entre o obreiro e o contratado, bem como de pessoalidade e habitualidade”.

“A aparente economicidade dos valores ofertados pelo licitante nesses casos não compensa o risco de relevante prejuízo financeiro para a Administração Pública advindo de eventuais ações trabalhistas”, escreveu o conselheiro. “Diante disto, constatei o grave risco de ser declarada como vencedora da licitação em tela a Cooperativa de Trabalho Rio Verde, o que afronta a legislação pátria e jurisprudência desta Corte e do Tribunal de Contas da União”, acrescentou.

Diante disso, o conselheiro determinou a suspensão de todos os atos referentes ao Pregão Presencial nº124/2019, “até que seja proferida decisão de mérito da presente Representação de Natureza Externa”.  Na decisão, o conselheiro determinou, ainda, a citação do prefeito e da pregoeira oficial do Município, enviando-lhes cópia da inicial e da decisão, para ciência e cumprimento imediato.

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Servidora “cumplice” de Abilio consegue adiar depoimento

Leia em seguida

1ª dama leva cestas básicas ao interior