Notícias de Última Hora :

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

Empresa de aparelhos auditivos atende pacientes em domicílio durante pandemia

Alunos do Colégio Salesiano São Gonçalo podem acompanhar aulas pela internet

Fonoaudióloga de Cuiabá alerta sobre limpeza de aparelhos auditivos no período de pandemia

O mundo é machista, mas quem mandam são elas

Gêmeos de Cuiabá são aprovados em três universidades federais

quarta-feira, 21 de outubro de 2020

Lula é indiciado pela PF por causa de doações da Odebrecht

Além do ex-presidente, foram indiciados também o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, o ex-ministro Antonio Palocci e o ex-presidente da empreiteira, Marcelo Odebrecht.

O ex-presidente Lula continua às voltas com a Justiça. Desta vez ele acaba de ser indiciado pelo delegado da Polícia Federal, Dante Pegoraro Lemos, por doações irregulares de R$ 4 milhões feitas pela Odebrecht ao Instituto Lula, entre dezembro de 2013 e março de 2014.

Além do ex-presidente, foram indiciados também o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, o ex-ministro Antonio Palocci e o ex-presidente da empreiteira, Marcelo Odebrecht. Todos foram indiciados por corrupção ativa e lavagem de dinheiro. Agora, o inquérito vai para o Ministério Público Federal do Paraná, que decide se denuncia ou não o ex-presidente. Caso faça a denúncia, o juiz precisa acatar e tornar o ex-presidente réu em mais uma ação. Hoje, Lula já responde a sete ações penais.

Lula já responde a um processo por ter recebido de presente por parte da Odebrecht e um terreno, no valor de R$ 12 milhões, que serviria de sede para o Instituto Lula, além da compra de uma cobertura, ao lado do imóvel onde mora, em São Bernardo do Campo. Esse processo está em fase final e aguarda sentença do juiz Luiz Antonio Bonat, da 13ª Vara Federal de Curitiba, a mesma que era ocupada pelo então juiz Sergio Moro, atual ministro da Justiça de Bolsonaro.

O delegado Lemos analisou ainda outras doações ao Instituto Lula, que partiram de empresas como Queiroz Galvão, Camargo Correa, OAS, Andrade Gutierrez, UTC, Consórcio Quip e BTG Pactual, mas a PF não verificou a prática de crimes nesses outros casos. No caso da doação de R$ 4 milhões da Odebrecht ao instituto do petista, o próprio Marcelo Odebrecht havia dito que as doações fizeram parte das propinas pagas pelo grupo ao ex-presidente, dentro da conta “amigo”, administrada pelo ex-ministro Antonio Palocci, cujo dinheiro era destinado a Lula.

 

Em e-email trocado entre Marcelo Odebrecht e o executivo da empreiteira Alexandrino Alencar, o então presidente da empreiteira dizia que o dinheiro sairia de uma conta de caixa dois que o PT tinha junto ao departamento de propinas da construtora. “Vai sair de um saldo que o amigo de meu pai ainda tem comido de 14”, explica Marcelo a Alexandrino. “Amigo de meu pai” é Lula. E saldo de 14 é de R$ 14 milhões.

 

Em seu relatório, o delegado diz que no inquérito “surgiram, então, robustos indícios da prática dos crimes de corrupção ativa e passiva, considerando o pagamento de vantagem indevida a agente público em razão do cargo por ele (Lula) anteriormente ocupado”, afirma o delegado Dante Pegoraro Lemos.

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Marcius Melhem é acusado de assédio contra atrizes da Globo, diz colunista

Leia em seguida

Misael diz que povo das ruas quer reeleição de Emanuel e lealdade garante PTB como vice