Notícias de Última Hora :

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

sábado, 19 de junho de 2021

Ministro acusa EUA de terrorismo e autoridades falam em vingança

Javad Zarif, ministro das relações exteriores do Irã, condenou a ação e exigiu que os EUA sejam responsabilizados

O ataque americano em Bagdá, no Iraque, que matou o general iraniano Qassim Suleimani na madrugada desta sexta-feira (3), agravou tensões entre os dois países e colocou a comunidade internacional em alerta.

O ministro das relações exteriores do Irã, Javad Zarif, condenou a ação e exigiu que os EUA sejam responsabilizados por todas as consequências de seu aventureirismo político.

“O ato dos EUA de terrorismo internacional, localizando e assassinando o general Suleimani -a força mais efetiva no combate a Daesh (Estado Islâmico), Al Nusrah, Al Qaeda e outros- é extremamente perigoso e tolo”, afirmou Zarif em seu perfil no Twitter.

Ordenada por Donald Trump, a ação resultou em ao menos nove vítimas. Entre elas, Abu Mahdi al-Muhandis, líder de uma milícia iraquiana favorável a Teerã.

O movimento é tido como uma escalada dramática no conflito indireto entre os Estados Unidos e seus aliados -Israel e Arábia Saudita, principalmente- e o Irã.

 

O líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, e seu presidente, Hassan Rohani, também condenaram o ataque como criminoso e prometeram retaliação. O atentado também foi alvo de crítica de autoridades iraquianas

 

A Guarda Revolucionária, cuja unidade de elite, a Al Qods, era chefiada por Soleimani, disse que o ato fortaleceu a determinação de vingança.

 

“A breve alegria dos americanos e dos sionistas se transformará em luto”, disse o porta-voz Ramezan Sharif na televisão estatal.

 

O porta-voz do Hamas, Bassem Naim, responsabilizou os Estados Unidos pelas consequências.

 

“O assassinato abre as portas para todas as possibilidades na região, exceto calma e estabilidade”, diz a mensagem publicada no Twitter.

 

Na manhã desta sexta-feira, Khamenei nomeou Esmail Qaani como o novo chefe da força Al Qods.

 

O ex-vice-presidente e rival de Trump, Joe Biden, afirmou que o presidente deve uma explicação ao povo americano sobre a estratégia para proteção das tropas, da embaixada e dos interesses dos EUA na região.

 

A presidente da Câmara dos Representantes americano, Nancy Pelosi, disse que o bombardeio ameaça gerar uma escalada de violência na região.

 

“Os Estados Unidos e o mundo não podem permitir que as tensões cheguem a níveis irreversíveis”, afirmou a democrata em um comunicado.

 

Mike Pompeo, secretário de Estado do governo Trump, elogiou a ação em uma mensagem publicada no Twitter. “Iraquianos dançando na rua por liberdade, gratos porque o general Suleimani se foi”, diz o texto.

 

O Reino Unido reforçou a segurança de suas bases militares no Oriente Médio. O ministro de relações exteriores, Dominic Raab, disse que a evolução do conflito não é do interesse britânico.

 

A relatora especial da ONU para execuções extrajudiciais, Agnes Callamard, publicou uma mensagem em uma rede social afirmando que as mortes foram provavelmente ilegais e que violaram as leis internacionais de direitos humanos.

Ler Anterior

Gallo diz que maioria dos postos “respeita a lei e o consumidor”

Leia em seguida

Mato-grossense morre ao incendiar casa de deputada na Bolívia