Notícias de Última Hora :

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

Empresa de aparelhos auditivos atende pacientes em domicílio durante pandemia

Alunos do Colégio Salesiano São Gonçalo podem acompanhar aulas pela internet

Fonoaudióloga de Cuiabá alerta sobre limpeza de aparelhos auditivos no período de pandemia

O mundo é machista, mas quem mandam são elas

Gêmeos de Cuiabá são aprovados em três universidades federais

quinta-feira, 22 de outubro de 2020

Homem morto junto com chefe do Novo Cangaço tinha passagens

Geraldo Júnior e líder de quadrilha de roubo a banco foram mortos na manhã de sexta-feira

O empresário Geraldo Silveira de Souza Junior, de 36 anos, morto a tiros na sexta-feira (03), possuia diversas passagens pela Delegacia da Polícia Civil de Nobres (a 145 km de Cuiabá).

Ele foi morto ao lado do chefe de quadrilha do “Novo Cangaço”, Lindomar Alves de Almeida. Eles estavam em uma caminhonete Hilux quando dois homens encapuzados desceram, abordaram as vítimas e atiraram.

O investigador Benedito Ribeiro Taques, da Polícia Civil, contou ao MidiaNews que Geraldo tinha uma borracharia em Nobres e já tinha passagens pela delegacia local.

“De tempos em tempos ele vinha à delegacia com diversos rolos. Como golpes de carro Finan [financiamentos de carro ilegais], cheques sem fundos, cobranças…”, disse o investigador.

A suspeita é de que Geraldo poderia estar trabalhando como segurança particular de Lindomar.

“Segundo informações, Lindomar estava requisitando segurança para ele. E eu acredito que o Geraldo deveria ser segurança dele, para estar junto na caminhonete. O Lindomar estava mexendo com sítio que o pai deixou no distrito de Coqueiral”, afirmou.

A Polícia Civil da cidade já instaurou uma investigação sobre o caso. Mas, segundo o investigador, deve ter dificuldades em encontrar testemunhas do crime. “Ninguém sabe de nada. Ninguém viu nada. E quem sabe não irá falar. Os caras não eram flor que se cheira”, disse.

 

O caso

 

O líder de quadrilha de assalto a banco na modalidade “Novo Cangaço”, Lindomar Alves de Almeida, conhecido como “Nenezão”, foi assassinado a tiros no final da manhã de sexta-feira.

 

Lindomar morreu na hora. Já o empresário foi socorrido com vida, mas não resistiu aos ferimentos e morreu a caminho do hospital.

 

Em outubro de 2019, Lindomar foi condenado a 10 anos e três meses de prisão, em regime fechado, além de 16 dias multa

A decisão foi da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso e refere-se ao roubo do Banco do Brasil em Paranatinga (a 373 km de Cuiabá), ocorrido em julho de 2011. Na ocasião, foram levados mais de R$ 1 milhão.

 

O assaltante já havia sido condenado pelos fatos em julho do ano passado. A condenação, porém, foi anulada em agosto pelo ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), que determinou um novo julgamento.

 

No “Novo Cangaço”, os criminosos, fortemente armados (com fuzis, metralhadoras e escopetas calibre 12), invadem uma agência bancária – normalmente em cidades pequenas -, provocam terror generalizado e usam as vítimas como escudo humano, como meio de assegurar a fuga.

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Adolescente agride os pais, toma fuzil de PM e ameaça atirar

Leia em seguida

Trump diz que morte de general foi para parar uma guerra, não começar