Notícias de Última Hora :

Dia do fonoaudiólogo: entenda a importância desse profissional no ambiente hospitalar

Profissionalismo e dedicação marcam 20 anos de profissão da fonoaudióloga Samia Ribeiro

Chapa 2 Integração protocola pedido para que profissionais da contabilidade tenham férias fiscais em MT

Adrenalina, desafios e diversão te esperam no Halloween da Escape60, em Cuiabá

Encontro automobilístico “Esperienza” supermáquinas entra para o calendário de eventos em Mato Grosso

Experiência única de recreação e entretenimento: Conheça o Escape60′

Fotógrafo vem a MT para ensaios que levantam autoestima de mulheres

Aparelho auditivo com “modo máscara” é alternativa que possibilita a comunicação com a proteção facial

Professora da UFMT recebe moção de aplausos em homenagem ao Dia do Contador

Escape 60′ oferece desconto para confraternização corporativa de fim de ano

Jogo de fuga cercado de desafios, mistérios e adrenalina: conheça o Escape60′

Feira gratuita ajuda jovens a cursarem faculdades fora do país

Municípios precisam de representatividade na Assembleia Legislativa

Dia do Estudante tem programação especial em escola de Cuiabá

Justiça reconhece que concessionária não é responsável solidária em processo de indenização por defeito de carro

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

segunda-feira, 17 de janeiro de 2022

Petrobras vai esperar petróleo acalmar para ajustar gasolina

Bolsonaro prometeu providências caso escalada da crise no Oriente Médio leve a disparada no preço do petróleo

A Petrobras vai esperar o mercado de petróleo se acomodar antes de decidir por reajustes nos preços dos combustíveis para responder à escalada das cotações internacionais após o assassinato do general iraniano Qassim Suleimani na madrugada desta sexta-feira (3).

O presidente Jair Bolsonaro prometeu providências caso a escalada da crise no Oriente Médio leve a disparada no preço do petróleo. Ele frisou, porém, que a linha do governo é a de não interferir na política de preços da estatal.

A cotação do petróleo tipo Brent, negociado em Londres e usado como referência internacional, subiu cerca de 3,50% diante de incertezas sobre os impactos no fornecimento da matéria-prima em meio a tensões na região.

A reportagem apurou, entretanto, que a Petrobras vai repetir estratégia adotada após os ataques a refinaria na Arábia Saudita, em setembro, quando esperou por dois dias a definição de novos patamares de preços. Naquela ocasião, o preço da gasolina subiu 3,5% e o do diesel, 4,2%.

A lógica é a de aguardar o mercado se acalmar, para evitar repassar ao consumidor a volatilidade no mercado internacional.

A postura reforça expectativa de investidores com relação à nova gestão da política de preços da estatal.

“O [presidente da Petrobras] Roberto Castello Branco mudou a política de reajustes diários e deve esperar mais um pouco para ver como se comportam os preços internacionais”, diz o analista Pedro Galdi, da Mirae Asset Wealth Management.

 

Em nota, a estatal afirmou que “segue com o processo de monitoramento do mercado internacional” e acrescentou que “de acordo com suas práticas de precificação vigentes, não há periodicidade predefinida para a aplicação de reajustes” dos combustíveis.

 

“A empresa seguirá acompanhando o mercado e decidirá oportunamente sobre os próximos ajustes nos preços”, completou a Petrobras.

 

Bolsonaro confirmou a estratégia em entrevista após visitar a primeira-dama Michelle no hospital, onde ela se recupera após procedimentos cirúrgicos estéticos realizados na quinta (2).

 

“Conversei com o presidente da Petrobras e, a exemplo do que aconteceu na Arábia Saudita, o ataque de drones, em poucos dias volta à normalidade. A gente espera que aconteça agora também”, disse, frisando que, se as cotações continuarem a subir, “tem que tomar providência”.

 

“Eu converso com o almirante Bento [Albuquerque, ministro de Minas e Energia], eu converso com o presidente da Petrobras, o Paulo Guedes [ministro da Economia], e nós temos uma linha de não interferir. [Vamos] acompanhar e buscar e soluções”, declarou.

 

Como medida alternativa, ele sugeriu que governadores abram mão de possíveis ganhos com a arrecadação do ICMS caso haja um incremento do preço do petróleo, para reduzir o impacto da variação na ponta para os consumidores.

 

“A gente apela para governadores. Vamos supor que aumente 20% o preço do petróleo. Vai aumentar 20% o ICMS. Não dá para os governadores cederem um pouco nisso também? Porque todo mundo perde. Quando você mexe em combustíveis toda a nossa economia é afetada nesta questão”.

 

A Petrobras reajustou a gasolina pela última vez no dia 27 de novembro, com alta de 4%. Já o preço do diesel foi elevado em 3% no dia 21 de dezembro, o terceiro aumento em pouco mais de um mês.

 

A política de preços da estatal prevê o acompanhamento de um conceito conhecido como paridade de importação, que inclui as cotações internacionais do petróleo, a taxa de câmbio e custos para trazer os produtos ao país.

 

Para o analista da Oanda Edward Moya, as cotações do brent devem ultrapassar os US$ 70 (R$ 283, ao câmbio atual) na semana que vem e podem se manter nesse patamar, já que o mercado pode começar a trabalhar com a possibilidade de conflito militar limitado nas próximas semanas.

 

Para o pesquisador visitante da UFBA (Universidade Federal da Bahia) e coordenador-técnico do Ineep (Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), Rodrigo Leão, o comportamento das cotações do petróleo vai depender da reação de Rússia e China, que já declararam apoio ao Irã.

 

“Se a Rússia se envolver de forma intensa, pode haver uma elevação mais abrupta das cotações”, avalia. Para ele, porém, ainda e cedo para fazer projeções. “[A postura da Petrobras] é uma postura correta, prudente”, afirma.

 

Um cenário de cotações em alta tornaria inevitável o reajuste nos preços internos dos combustíveis. A manutenção do petróleo em patamares mais elevados, lembra Galdi, tem efeitos na inflação e pode alterar planos dos bancos centrais ao redor do mundo.

Ler Anterior

TCE nega pedido de empresa para retomar contrato de R$ 40 mi em Cuiabá

Leia em seguida

Bolsonaro patina para cumprir promessas após primeiro ano de governo