Notícias de Última Hora :

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

Empresa de aparelhos auditivos atende pacientes em domicílio durante pandemia

Alunos do Colégio Salesiano São Gonçalo podem acompanhar aulas pela internet

Fonoaudióloga de Cuiabá alerta sobre limpeza de aparelhos auditivos no período de pandemia

O mundo é machista, mas quem mandam são elas

Gêmeos de Cuiabá são aprovados em três universidades federais

sábado, 31 de outubro de 2020

Por engano, advogado envia ao TJ contrato de submissão sexual

Era para ser apenas um processo de indenização por danos morais contra uma seguradora, não fosse o erro de um advogado identificado pelas iniciais R.G.A.A.S., de Cuiabá. Por engano, ele anexou ao documento enviado ao Tribunal de Justiça (TJ-MT) um contrato de submissão sexual com uma cliente.

nspirado no filme americano Cinquenta Tons de Cinza, que é baseado no livro da autora E.L. James, o advogado estabelece um acordo com a cliente e propõe normas para a relação entre “submissa” e “dominador”.

 

“O propósito fundamental do presente contrato é permitir à submissa explorar de maneira segura sua sensualidade e seus limites, respeitando e considerando devidamente suas necessidades, seus limites e seu bem-estar”, diz trecho do documento.

 

Contrato foi assinado no dia 7 de outubro de 2019 e teve 3 meses de vigência. O processo, contudo, também discorre sobre a possibilidade de extensão do acordo, sujeita a ajustes dos termos após discussão entre submissa e dominador. O caso veio à tona após viralizar nas redes sociais.

 

O documento prevê que a submissa sirva e obedeça ao dominador, sem questionar ou hesitar o “prazer sexual” que ele solicitar, das noites de sexta-feira até as tardes de domingo. Dominador, por outro lado, pode controlar, dominar, disciplinar e ter a mulher como sua propriedade durante  a vigência.

 

“A submissa sempre se conduzirá de maneira respeitosa para com o dominador e só se dirigirá a ele como senhor, Sr. Grey, ou outra forma de tratamento que o Dominador indicar”, diz um dos artigos, em referência ao nome do protagonista do romance.

 

A cliente aceitou ser açoitada, espancada, chicoteada e castigada fisicamente, por disciplina, prazer ou “qualquer outra razão”. O contrato prevê também o uso de algemas e amarradas por períodos de tempo prolongados. Marcas permanentes e atos que causem dano sério ou risco à vida da submissa foram proibidos.

 

Foram, ainda, criados códigos para situações desconfortáveis. O “amarelo” seria utilizado para informar que a submissa chegou perto de seu limite suportável. O “vermelho” indica que a mulher não tolerará qualquer outra exigência e que o ato deve ser encerrado.

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Pantanal Shopping arrecada 11 toneladas de alimentos

Leia em seguida

Nilo Póvoas fecha as portas após 50 anos de tradição