Notícias de Última Hora :

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

quarta-feira, 23 de junho de 2021

MPE quer que ex-adjunto e ex-servidor devolvam R$ 621 mil

Ex-servidor e ex-secretário-adjunto são acusados de atos de improbidade administrativa que teriam ocorrido entre 2013 2 2014

O promotor de Justiça Arnaldo Justino da Silva, do Ministério Público Estadual, propôs uma ação civil pública por suposta improbidade administrativa cometida pelo ex-servidor Bruno Almeida de Oliveira e o ex-secretário-adjunto da Saúde de Mato Grosso, Marcos Rogério Lima Pinto e Silva.

No documento, o promotor requer que os ex-servidores da Saúde ressarçam os cofres públicos em R$ 621 mil. A ação civil pública foi encaminhada a Vara Especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular de Cuiabá no dia 19 de dezembro de 2019.

Conforme o promotor, o ex-servidor e o ex-secretário-adjunto teriam sido omissos em relação a irregularidades apresentadas em três contratos com a empresa Ausec Ltda., especializada em automação e segurança, feitos entre os anos de 2013 e 2014.

“Ficou devidamente demonstrado que as ações e omissões de Marcos Rogério Lima Pinto e Bruno Almeida de Oliveira contribuíram claramente para a ocorrência do dano, razão pela qual devem ser condenados”, relatou o promotor.

A empresa seria responsável por serviços de segurança digital firmados com a Secretaria de Estado de Saúde (SES).

Em auditorias realizadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) e Controladoria-Geral do Estado (CGE), foram encontradas irregularidades como a cobrança, por parte de empresa, de serviços não prestados.

Bruno, segundo o relatório, se limitava a atestar as notas fiscais emitidas pela empresa, sem observar a efetiva entrega e prestação dos serviços. Por sua vez, o então secretário-adjunto,  Marcos Rogério, era quem autorizava os pagamentos sem as ordens de serviço ou relatórios que comprovassem a sua efetiva prestação.

De acordo com documento, Marcos se “escorava” apenas “no ateste do fiscal dos contratos. Não bastasse isso, antecipou pagamentos, sem nenhuma previsão contratual”.

“Não restam dúvidas sobre as irregularidades ocorridas na execução dos contratos nº52/2013, nº 22/2014 e nº 27/2014, pela cobrança de serviços não prestados, mormente dos serviços de parametrização no sistema, conforme discriminado nos aludidos documentos, o que ocasionou dano ao patrimônio público e, por conseguinte, a obrigação de seu ressarcimento e a punição dos responsáveis por sua prática”, destacou o promotor.

O contrato 052/2013 teve vigência de novembro de 2013 a novembro de 2014, com o valor de R$ 2,1, milhão. Já o contrato 22/2014 teve vigência de abril de 2014 a abril de 2015, com valor R$ 2,8 milhão. O terceiro contrato, 27/2014, realizado para aquisição de materiais elétricos, durou seis meses, de maio a novembro de 2014, e teve valor fixado em R$ 587 mil.

No terceiro contrato, por exemplo, foram encontradas irregularidades na execução dos contratos, como a não entrega de materiais e a não prestação de horas de “parametrização de regras nos sistemas e treinamento”.

“A Secretaria de Estado de Saúde realizou o pagamento do produto e serviço, sugerindo, ao final, a glosa no valor de R$ 733.157,99”, apontou o promotor.

TAC com a empresa

Na ação, o promotor cita que a empresa Ausec, bem como seu sócio-proprietário, não são alvos da ação, visto que estes já firmaram um Termo de Ajustamento de Conduta junto ao MPE. No acordo, ficou estabelecido o pagamento de R$ 820 mil referente a danos ao erário, bem como o pagamento da multa civil no valor de R$ 410 mil.

No entanto, Marcos e Bruno não integraram o acordo. “Não se pode olvidar que todos os personagens deste enredo são responsáveis pelo retorno aos cofres públicos dos valores gastos indevidamente”, disse o promotor

“A empresa, porque emitiu notas fiscais de produtos e serviços que não entregou ou prestou; o Fiscal, que não fiscalizou devidamente os contratos e atestou, sem a comprovação efetiva, que determinados produtos foram entregues ou serviços prestados; e por fim, o Ordenador de Despesas, que nomeou um novato, sem qualificação técnica como Fiscal de Contratos e ordenou o pagamento sem a devida comprovação do cumprimento do pactuado nos contratos”, completou.

Ler Anterior

Dupla é detida com 44 tabletes de pasta base de cocaína

Leia em seguida

Mulher é encontrada degolada e espancada em praça de MT