Notícias de Última Hora :

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

Empresa de aparelhos auditivos atende pacientes em domicílio durante pandemia

Alunos do Colégio Salesiano São Gonçalo podem acompanhar aulas pela internet

Fonoaudióloga de Cuiabá alerta sobre limpeza de aparelhos auditivos no período de pandemia

O mundo é machista, mas quem mandam são elas

Gêmeos de Cuiabá são aprovados em três universidades federais

segunda-feira, 19 de outubro de 2020

INSS nega benefício para mulher sem mãos e pernas porque ela não pôde assinar papel

Com três pedidos de benefício negado pelo Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), a ex-sinaleira Cleomar Marques contou em entrevista ao Jornal de Rondônia 1ª edição, na TV Globo, as dificuldades impostas pelo órgão para ela receber o pagamento do auxílio em Porto Velho, capital do estado.

Uma das justificativas apontadas pelo INSS para não conceder o auxílio foi que Cleomar não poderia assinar os papéis.

“Uma servidora puxou os papéis e perguntou: ‘quem vai assinar? Você assina?’. Eu disse que não podia assinar, mas sim a minha filha ou minha mãe. A mulher então olhou e disse: ‘ah, então não vale’. Daí ela pegou, rasurou o papel e jogou fora”, disse a ex-sinaleira a reportagem do jornal.

Cleomar não desistiu e realizou um novo pedido junto ao INSS. Desta vez, o requerimento era para o benefício assistencial à pessoa com deficiência, também negado pelo órgão.

A ex-sinaleira trabalhava em uma das usinas de Porto Velho. Mas, após complicações em uma cirurgia, ela entrou em coma e teve infecção generalizada. Com isso, seus membros foram necrosando e tiveram que ser amputados.

Cleomar disse ainda que necessita do benefício, pois após com a amputação sua mobilidade ficou reduzida e ela precisa da ajuda da filha para tomar banho e se alimentar.

“Olha, é um constrangimento para mim tudo isso. Eu trabalhava, tinha minha vida e agora sou dependente dos outros. É a minha filha, única que mora comigo, que faz tudo para mim”, desabafou.

INSS

De acordo com a apuração do telejornal da TV Globo, a assessoria de comunicação do INSS informou que foi solicitado ao instituto um auxílio-doença para Cleomar e este foi indeferido por falta de período de carência, no último ano. Depois, um novo benefício foi solicitado, também sendo indeferido por apresentar renda per capita familiar superior a 1/4 do salário mínimo.

O INSS informou ainda que recebeu pessoalmente a filha de Cleomar a qual deverá fazer um novo requerimento para alterar inconsistências relativas ao grupo e a renda familiar no Cadastro Único. Com isso, Cleomar poderá solicitar um novo benefício.

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Bruna Marquezine posa de fio-dental e deixa seguidores impactados

Leia em seguida

Cientistas descobrem ‘caminho’ para eliminar HIV totalmente do corpo