Notícias de Última Hora :

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

Empresa de aparelhos auditivos atende pacientes em domicílio durante pandemia

Alunos do Colégio Salesiano São Gonçalo podem acompanhar aulas pela internet

Fonoaudióloga de Cuiabá alerta sobre limpeza de aparelhos auditivos no período de pandemia

O mundo é machista, mas quem mandam são elas

Gêmeos de Cuiabá são aprovados em três universidades federais

sábado, 31 de outubro de 2020

Goleiro Bruno entra em depressão após ficar sabendo de rescisão

Estávamos pagando caro por goleiro no Operário, diz dirigente

Estávamos pagando caro para manter o goleiro Bruno Fernandes no Operário”. Esse foi o discurso do supervisor de futebol do Operário de Várzea Grande, André Xela, para voltar atrás e desistir da contratação do atleta, condenado a mais de 20 anos de prisão por participação na morte da modelo Eliza Samudio, mãe de um filho dele.

A notícia da contratação ganhou grande repercussão, após a afirmação do dirigente ao de que Bruno já havia assinado com o clube e aos patrocinadores só restava cumprir os contratos (Veja aqui).

A reação, no entanto, foi imediata, e logo foi anunciado o pedido do banco Sicredi que tinha contrato com a Federação Mato-grossense de Futebol (FMF) para tirar sua marca nas camisetas do time. Em seguida houve um protesto de mulheres que vestiram preto e foram para frente do Estádio Dito Souza, no bairro Cristo Rei, em Várzea Grande. Em seguida o anúncio de que a loja de eletrodomésticos Martinelo pediu a rescisão do contrato de patrocínio.

Diante da pressão o clube reviu sua posição, mesmo contrariado. A advogada Mariana Migliorini reclamou.  “Os empresários de Várzea Grande não querem ter o nome do Bruno vinculado a eles por conta da repercussão social. Querem ele morto, isso não é pena, não é algo civilizatório. O Bruno já pediu perdão, cumpriu a pena. Deus perdoa, a sociedade não”, disse.

A liberação do ‘astro’ foi dada pela Justiça de Minas Gerais para que ele se mudasse para Mato Grosso com a família e trabalhasse no time com um salário de até R$ 5 mil.

Em uma entrevista ao Muvuca Popular, Xela contou que o que mais pesou para o cancelamento do contrato foi a perda de patrocínios do clube, além da pressão grande que chegou às redes socias com a hashtag #BrunoNão! A repercussão negativa também poderia tirar os torcedores das arquibancadas.

“Sem dinheiro não se faz futebol. Fora isso, a diretoria resolveu se reunir e entrar em consenso com o que estava acontecendo e decidimos encerrar a contratação. A pressão foi tão grande que não estava mais compensando manter ele no grupo. O clube acreditava no atleta, mas de fato não deu para seguir em frente”, pontuou.

Apesar de assinar contrato com o goleiro, o Clube não irá pagar multa. Segundo o dirigente, o que havia era apenas uma proposta de trabalho, e a Justiça também precisava definir pelo sim ou não do atleta.

“Agora, o certo é que o clube vai continuar arcando com todos os custos para ele voltar para o domicílio dele. Existe uma série de regras para serem cumpridas. Não é algo tão simples assim. Só falar não queremos mais. Precisamos seguir vários trâmites legais. Então, o Operário vai continuar dando amparo e se tiver outras despesas irá arcar também”, concluiu.

Após receber a informação de que não poderia mais ser atleta do Operário varzea-grandense, Bruno ficou tenso e entrou em depressão. Segundo sua advogada, ele ficou sem comer e não conseguia dormir.

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Residencial Santa Terezinha recebe o Projeto ‘Arboriza Cuiabá’

Leia em seguida

Agenda Cultural: confira os eventos desse final de semana em Cuiabá