Notícias de Última Hora :

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

Empresa de aparelhos auditivos atende pacientes em domicílio durante pandemia

sábado, 5 de dezembro de 2020

Juíza torna Silval e mais 5 réus por esquema em MT

A juíza Ana Cristina Silva Mendes, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, julgou como réus o ex-governador Silval Barbosa (MDB), seu irmão Antônio Barbosa e os ex-secretários de Estado, Pedro Nadaf e Marcel de Cursi, por corrupção ativa e lavagem de dinheiro, além de formação de organização criminosa.

A decisão foi assinada no dia 22 de janeiro. O processo seguia em segredo de justiça. Conforme a ação, o grupo integrava um esquema que envolve o recebimento de R$ 1,9 milhão de propina em troca de incentivos fiscais.

As investigações dão conta que em 2014, o grupo liderado por Silval Barbosa solicitou a quantia de R$ 8 milhões ao empresário Milton Bellicanta, para que fosse fixada uma alíquota diferenciada para as empresas Vale Grande Indústria e Comércio – Frialto e Nortão Industrial de Alimentos.

Pedro Nadaf, o ex-procurador Chico Lima e Marcel de Cursi foram convidados ainda por Silval para participar do acordo. No entanto, Milton Bellicanta argumentou que a propina era muito alta, e ficou acertado o valor de R$ 5,6 milhões, além de alterar o Imposto sobre Circulação de Mercadoria e Serviços (ICMS) para a empresa de 3,5% para 1,73%.

Em seguida, o valor foi “corrigido” para 1%, por meio do benefício fiscal do Programa de Desenvolvimento Industrial e Comercial de Mato Grosso (Proceic), sendo beneficiada também a empresa Nortão Industrial de Alimentos LTDA.

Ainda conforme a ação, o empresário procurou o irmão de Silval e um homem de confiança para fazer o pagamento das propinas. O valor então foi pago por meio de simulações de compra e venda de 393 bovinos, entre a Fazenda Bom Retiro, do ex-governador e Agropecuária Ponto Alto, propriedade de Milton.

Por fim, a propina foi distribuída em R$ 1 milhão para Silval, R$ 400 mil para Pedro Nadaf, R$ 300 mil para Chico Lima e R$ 200 mil para Marcel de Cursi.

Em sua decisão, a magistrada analisou indícios necessários para o recebimento do processo. “Verifico presente a justa causa para a instauração da Ação Penal, consubstanciada em prova razoável da existência de Organização Criminosa dentro da administração pública, cuja atuação na presente denúncia, se evidenciou pela fraude realizada nos procedimentos administrativo”, diz em trecho, no dia 9 de outubro.

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

5 são presos por receptação em desmanche em VG

Leia em seguida

Médico é acusado de não cumprir carga horária e recusar atender pacientes