Notícias de Última Hora :

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

Empresa de aparelhos auditivos atende pacientes em domicílio durante pandemia

Alunos do Colégio Salesiano São Gonçalo podem acompanhar aulas pela internet

quarta-feira, 25 de novembro de 2020

Eternit lança telha de energia solar e diz que superou amianto

Há pouco mais de um ano, a fabricante de telhas Eternit pedia recuperação judicial e se via às voltas com a proibição do uso do amianto, substância cancerígena que usava em suas telhas.

Na semana passada, a empresa foi elogiada por um movimento que vai na contramão de seus problemas do passado. A Eternit apresentou na Feira Intersolar da América do Sul, maior feira sobre energia solar da região, uma telha fotovoltaica, isto é, capaz de transformar captação de luz em energia elétrica.

O produto deve começar a ser vendido em cerca de seis meses, primeiro em fase de testes a clientes selecionados, e chegando ao mercado geral entre 12 e 18 meses.

Células fotovoltaicas ainda são comercializadas no Brasil sobretudo em formato de painéis e em pequena escala, cerca de 1% da energia instalada no país, de acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O mérito da Eternit foi conseguir aplicar as células fotovoltaicas na própria telha, sem precisar de um painel adicional.

A dificuldade no processo era que as células, embora captem a energia vinda da luz do sol, não gostam de calor — que é abundante nas telhas. Assim, aplicar as células diretamente na telha exigiu diversos testes. “Parece simples, mas ninguém tinha feito isso antes porque a telha passa calor para as células e elas perdem eficiência. Então, tivemos de desenvolver um isolante para contornar esse inconveniente”, diz o presidente da Eternit, Luis Augusto Barcelos Barbosa.

Assim, a Eternit desenvolveu dois produtos. A telha que foi aprovada pelo Inmetro é mais cara e voltada aos imóveis comerciais e de classe A e B, e começará a ser produzida na fábrica da Eternit em Atibaia (SP). O próximo passo é terminar o desenvolvimento de uma telha fotovoltaica mais barata, que deve ser lançada em cerca de um ano e meio.

Neste caso, as células fotovoltaicas seriam colocadas nas telhas comuns, de fibrocimento, que hoje representam a maior parte do faturamento da Eternit e das telhas usadas no Brasil. (Essas telhas mais baratas antigamente eram feitas com amianto, e com a proibição do Supremo Tribunal Federal, hoje são feitas de polipropileno.)

O desafio é que esse tipo de telha é mais flexível e, portanto, pode danificar as células. A Eternit está desenvolvendo um outro polímero que absorve em partes esse movimento, diz Barbosa. “Isso será uma revolução, porque hoje os painéis solares são caros e com a telha de fibrocimento, muita gente teria acesso”, diz Barbosa.

Foram instalados no Brasil em 2018 cerca de 35.000 sistemas fotovoltaicos, segundo a Aneel. Neste ano, foram 32.000 somente no primeiro semestre. A Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica calcula que a energia solar recebeu 9 bilhões de reais em investimentos no Brasil no ano passado, e a expectativa para 2019 é que a capacidade instalada de energia solar aumente 44%.

Um sistema de energia solar com painéis custa no Brasil a partir de 10.000 reais para uma casa pequena, podendo chegar a mais de 20.000 reais.

A Eternit ainda não estabeleceu o preço de seu produto e diz ainda estar adaptando a produção em escala industrial. No caso das telhas, não será preciso trocar o telhado inteiro, e uma casa simples no Brasil, diz o presidente da empresa, conseguiria suprir sua necessidade energética com em torno de 100 a 150 telhas de concreto.

Segundo a Eternit, a compra e instalação da telha de concreto será de 10 a 20% mais barata que os painéis solares tradicionais, e a de fibrocimento pode ficar até 30% mais barata.

Os desafios pós-amianto

O lançamento da telha fotovoltaica fez a ação da Eternit subir 72% na última terça-feira 27, data do anúncio, fechando a 3,60 reais. De lá para cá, a ação caiu 29%, fechando a quarta-feira 4 a 2,80 reais — ainda assim, com um ganho real de mais de 30% na comparação com a ação antes da apresentação da telha.

“Ainda não foi divulgado o total do investimento e nem a expectativa de participação do segmento na receita, no entanto, tudo indica que as margens são mais elevadas”, escreveram os analistas da corretora Coinvalores sobre a nova telha, em relatório divulgado no dia 27 de agosto. “Consideramos positiva essa iniciativa da empresa pensando em longo prazo.”

A corretora Planner também escreveu em relatório que a telha fotovoltaica pode “marcar uma virada da empresa”, em um negócio “que enxergamos como muito promissor”.

O projeto começou a ser desenvolvido há cerca de um ano, poucos meses depois de a Eternit ser obrigada a parar de usar amianto em seus produtos, no fim de 2017. A crise do amianto levou a Eternit a perder mais de 80% de seu valor de mercado nos últimos cinco anos.

Era graças ao amianto que a empresa, fundada em 1940, havia se tornado líder na fabricação de telhas no Brasil e uma das maiores exportadoras da substância no mundo. Mas a Eternit tomou a decisão errada ao tentar defender o amianto até os 45 do segundo tempo, brigando na Justiça para tentar barrar a proibição, em vez de investir em materiais alternativos.

Antes da proibição do Supremo Tribunal Federal, o amianto já havia sido considerado como cancerígeno pela Organização Mundial da Saúde e tido seu uso proibido em mais de 70 países e em alguns estados brasileiros, como Rio Grande do Sul e São Paulo. Estima-se que, no mundo, mais de 100.000 pessoas morram todos os anos por doenças geradas pela exposição ao amianto, usado sobretudo na fabricação de telhas e caixas d’água.

Hoje, passados quase dois anos da decisão do STF, a empresa afirma que “abandonou 100%” o amianto, substituído por polipropileno em suas telhas. O volume de vendas de suas telhas mais populares, as de fibrocimento (agora feitas sem amianto), aumentou 48% no segundo trimestre de 2019 na comparação com o ano passado e 34% no acumulado do ano.

Uma mina de amianto da Eternit em Goiás, operada por sua subsidiária de mineração, a Sama, também foi desativada em fevereiro deste ano (com a demissão de centenas de funcionários).  Com as mudanças, a receita dos primeiros seis meses de 2019 caiu 2,7%, fechando em 240,7 milhões de reais, mesmo na comparação com 2018, que já havia sido um ano ruim. O prejuízo no primeiro semestre deste ano foi de 55 milhões de reais, ante prejuízo de 45,9 milhões em 2018.

“O ano passado foi bem difícil para a Eternit. Tivemos de organizar a produção para atuar sem o amianto, foi um processo lento e custoso”, diz o presidente Luis Barbosa, mas afirma que o caso foi “superado”.

Em fevereiro do ano passado, Barbosa deu entrevista a EXAME pouco antes de embarcar para a Europa, para onde viajava visando procurar novos produtos e, segundo ele, construir a “nova Eternit”. A telha fotovoltaica, para além de um produto inovador, precisa ser um recomeço para que a Eternit não repita os erros do passado.

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Duplas sertanejas e show de bregafunk agitam o fim de semana

Leia em seguida

Sema interdita tobogã e piscina de ondas de clube acqua park no Manso