Notícias de Última Hora :

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

Empresa de aparelhos auditivos atende pacientes em domicílio durante pandemia

Alunos do Colégio Salesiano São Gonçalo podem acompanhar aulas pela internet

terça-feira, 24 de novembro de 2020

Polícia Federal grampeou vítima de escutas ilegais

A operação Grampolândia Pantaneira, que identificou escutas ilegais no governo de Pedro Taques (PSDB), identificou um documento em que a publicitária Tatiane Santalli, que foi monitorada ilegalmente pelo ex-secretário-chefe da Casa Civil, Paulo Taques, também teve o número grampeado pela Polícia Federal entre 2014 e 2015. As delegadas do caso, Ana Cristina Feldner e Jannira Laranjeira, solicitaram à Corregedoria da PF de Mato Grosso informações sobre quais circunstâncias a ex-amante de Paulo Taques foi interceptada pela PF.

No documento, o número telefônico de Sangalli aparece em uma lista com o codinome HNI PM – Homem Não Identificado. A nomenclatura é usada nas investigações de tráfico de drogas contra policiais.

A suspeita é de que a PF teria sido induzida ao erro por membros da organização da gestão Taques, e ter grampeado Sangalli na modalidade barriga de aluguel – quando números de pessoas comuns são listados mesmo sem pertencer a nenhuma investigação policial.

Tatiane Sangalli foi um dos alvos do esquema de interceptações telefônicas clandestinas criadas no governo Pedro Taques (PSDB) para monitorar adversários políticos. Paulo Taques foi denunciado pelo Ministério Público por ter grampeado Sangalli, uma ex-servidora da Casa Civil, Caroline Mariano, no bojo das Operações Forti/Pequi e Querubim da Polícia Civil em 2015.
A justiça acatou a denúncia e o ex-secretário agora é réu na 7ª Vara Criminal.

Operações Forti e Querubim
Segundo as investigações, a delegada Alana Cardoso coordenou, em 2015, a Operação Forti, cujos principais alvos seriam pessoas em associação com o Primeiro Comando da Capital (PCC) e o Comando Vermelho de Mato Grosso (CV).
Porém, na lista de pessoas interceptadas nessa operação também estavam as ex-servidoras Tatiana Sangalli Padilha e Caroline Mariano dos Santos. Ambas tinham vínculos estreitos com o ex-secretário da Casa Civil, Paulo Taques.

Responsável pelos principais processos de combate à corrupção e ao crime organizado em Mato Grosso, a juíza Selma Rosane Arruda, titular da Sétima Vara Criminal de Cuiabá, foi quem deu autorização para interceptar Tatiana e Caroline, em 26 de fevereiro de 2015. No entanto, as ex-servidoras eram identificadas como Dama Lora e Amiguinha, respectivamente.

Menos de um mês depois disso, houve um pedido para excluir ambas da lista de interceptações. E no dia 26 de março de 2015, a magistrada atende ao pedido do delegado Flavio Henrique Stringueta, então chefe da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), e permite que Tatiana e Caroline sejam grampeadas, dentro das investigações da
Essa operação investigou, sob sigilo, um suposto plano de uma organização criminosa que estaria vinculada ao ex-comendador João Arcanjo Ribeiro e pretendia armar contra a vida do então governador do estado, Pedro Taques (PSDB). O ex-secretário Paulo Taques nega as acusações e afirma que nunca pediu para as delegadas e nem para ninguém fazer interceptação telefônica.

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Lei destina 50% do valor das multas do TCE para saúd

Leia em seguida

Deputada de MT pede impeachment do ministro da Educação