Notícias de Última Hora :

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

Empresa de aparelhos auditivos atende pacientes em domicílio durante pandemia

Alunos do Colégio Salesiano São Gonçalo podem acompanhar aulas pela internet

Fonoaudióloga de Cuiabá alerta sobre limpeza de aparelhos auditivos no período de pandemia

O mundo é machista, mas quem mandam são elas

Gêmeos de Cuiabá são aprovados em três universidades federais

domingo, 25 de outubro de 2020

Mauro diz que desafio de Bolsonaro é inviável e ocasionaria redução em salário de servidores

O governador Mauro Mendes (DEM) declarou que a proposta feita pelo presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) de reduzir o ICMS (Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços) dos combustíveis em troca da redução dos tributos federais é impossível de ser implementada no Estado. O democrata sustenta que se fosse aceito o desafio, os Poderes teriam aceitar reduzir duodécimo, assim como os servidores teriam que sofrer redução de salários.

Em visita à Assembleia Legislativa na manhã desta quinta-feira (6), o chefe do Executivo ainda brincou que o presidente está desafiando os Estados a cortarem uma perna, enquanto ele irá abrir mão apenas de um dedo.

“Esta colocação feita pelo presidente Jair Bolsonaro é muito boa de ouvir, mas na prática ela é impossível de ser implementada. O ICMS dos combustíveis representa 25% da nossa receita própria. Já os tributos do Governo Federal (PIS e cofins) representam 2% da receita do Governo Federal. É a mesma coisa de propor para cortarmos uma perna, que ele irá cortar o seu dedinho”, afirmou o governador.

“Se a Assembleia Legislativa topar cortar 25% do seu duodécimo, se o Tribunal de Justiça topar cortar 25% de seu duodécimo, se os servidores toparem cortar 25% de seu salário, se muitas obras que estão sendo feitas toparem cortar 25% de seu orçamento e se todo mundo topar, seria possível. Então eu devolvo a pergunta, é possível cortar 25% do salário dos servidores? É possível cortar recurso das obras? É possível cortar 25% dos investimentos que estamos fazendo na Saúde? Então, fazer esta proposta de cortar a nossa perna, que ele corta o seu dedinho é muito bom de ouvir, mas na prática não dá para fazer”, explicou.

No início da semana, o presidente, que vem reclamando do alto preço dos combustíveis na bomba dos postos em todo o país, declarou que irá reduzir os tributos federais, caso os chefes do Executivos estaduais aceitarem o desafio de fizerem o mesmo com o ICMS.

“Eu zero o federal se eles zerarem o ICMS. Está feito o desafio. Se topar, eu aceito”, disse o presidente, ao ser questionado sobre o assunto por jornalistas na saída do Palácio do Planalto.

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Jair Bolsonaro vem a Mato Grosso na próxima semana para entrega da BR-163

Leia em seguida

Jovem estuprada pelo pai por 6 dias: dizia que criaríamos bebê, caso engravidasse