Notícias de Última Hora :

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

Empresa de aparelhos auditivos atende pacientes em domicílio durante pandemia

Alunos do Colégio Salesiano São Gonçalo podem acompanhar aulas pela internet

Fonoaudióloga de Cuiabá alerta sobre limpeza de aparelhos auditivos no período de pandemia

O mundo é machista, mas quem mandam são elas

Gêmeos de Cuiabá são aprovados em três universidades federais

segunda-feira, 19 de outubro de 2020

Barbudo pressiona e diz que pedido de Bolsonaro para baixar ICMS do Diesel é promessa de campanha de Mendes

O deputado federal Nelson Barbudo (PSL) cobrou do governador Mauro Mendes (DEM) na noite dessa sexta-feira (7) a adesão à proposta do presidente da República Jair Bolsonaro de zerar os impostos federais sobre combustíveis se os governadores também zerarem a cobrança do ICMS.

Como forma de pressionar Mendes a dialogar com o setor da agricultura, Barbudo garantiu que o chefe do Executivo prometeu durante a campanha de 2018 que iria reduzir o imposto, caso o Governo Federal diminuísse o ICMS sob o óleo diesel.

Ocorre que o preço  cobrado na bomba vem sendo tema de debates entre autoridades dos governos federal e estaduais. Segundo Mendes, a proposta de Bolsonaro é impraticável. Isso porque o ICMS dos combustíveis representa 25% da receita própria de Mato Grosso, o que é a média dos estados. Já o PIS e o Cofins são apenas 2% dos impostos arrecadados pela União.

“Governador vou lembrar o senhor de uma promessa de campanha para com os nossos eleitores. Olha lá: ‘reduzindo o ICMS do Diesel em Mato Grosso, aumentando o consumo, diminuímos a sonegação e, com isso, a arrecadação aumenta’. Claro, governador. Todo mundo sabe disso, só que agora o senhor diz que a proposta do Bolsonaro é indecente. Ele quer cortar o dedinho e o senhor cortar a perna. Com Fethab 2, o senhor cortou praticamente as duas pernas e os dois braços dos agricultores mato-grossenses. Isso não tem problema, né governador?”.

“Vamos pensar e vamos aderir aos quatro governadores de Rondônia, Goiás, Acre e  Piauí, que já se propuseram a conversar. Governador, ninguém aguenta esse preço de óleo diesel. Se continuar assim, a agricultura fica inviável e o senhor não se dispõe ao menos a conversar. O senhor propôs na sua campanha a diminuição do ICMS sob o combustível e agora nega peremptoriamente conversar. Não é isso que esperamos do senhor e tenho certeza que a semana que vem o senhor se juntará ao bloco de governadores que querem o bem do consumidor. Um grande abraço. Segura bola que nós estamos vendo para que lado o senhor a chuta, se é o lado pessoal ou o lado daqueles que o elegeram”, declarou Barbudo, em vídeo que circula nas suas redes sociais.

Com um ano de mandato, Mendes tomou medidas que teriam melhorado o caixa, como a reinstituição dos incentivos fiscais e a aprovação do Novo Fethab, o que aumentou a contribuição da classe produtiva do Estado.

“Eu zero o federal se eles zerarem o ICMS. Está feito o desafio aqui agora. Eu zero o federal hoje, eles zeram o ICMS. Se topar, eu aceito”, disse Bolsonaro esta semana, no Palácio da Alvorada.

“Olha o problema que eu estou tendo com combustível. Pelo menos a população já começou a ver de quem é a responsabilidade. Não estou brigando com governadores. O que eu quero é que o ICMS seja cobrado no combustível lá na refinaria, e não na bomba. Eu baixei três vezes o combustível nos últimos dias, mas na bomba não baixou nada”, completou o presidente.

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Câmara aprova serviço que bloqueia ligações de telemarketing em Cuiabá

Leia em seguida

Presidente do TCE-MT vai coordenar uma comissão que “fiscaliza” propostas para futuro da Lei Kandir