Notícias de Última Hora :

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

Empresa de aparelhos auditivos atende pacientes em domicílio durante pandemia

Alunos do Colégio Salesiano São Gonçalo podem acompanhar aulas pela internet

Fonoaudióloga de Cuiabá alerta sobre limpeza de aparelhos auditivos no período de pandemia

O mundo é machista, mas quem mandam são elas

Gêmeos de Cuiabá são aprovados em três universidades federais

domingo, 25 de outubro de 2020

Mesmo com ocupação, Seduc mantém decisão de desativar escola Nilo Póvoas

A secretaria estadual de Educação (Seduc) reiterou, por meio de nota, que a decisão de desativar a Escola Estadual Nilo Póvoas, em Cuiabá, não será suspensa. Na tarde de ontem (10), um grupo de aproximadamente 30 alunos, entre 16 e 18 anos, decidiram ocupar o prédio para forçar o governo a repensar a extincão da unidade, que completará 50 anos.

Uma comissão de acompanhamento e orientação foi constituída pela Seduc para orientar a unidade escolar durante o processo de desativação. Conforme posicionamento da Seduc, o objetivo da desativação é transformar o imóvel no Centro de Referência em Educação Inclusiva Nilo Póvoas.

“Uma ação estratégica de gestão, com foco na melhor ocupação dos prédio públicos escolares e aplicação de recursos”, diz trecho da nota.

A Escola Estadual Nilo Póvoas será inserida no planejamento de redimensionamento e reordenamento escolar da Pasta. Segundo a Seduc, atualmente 126 alunos estão matriculados na unidade, sendo que 32 deles já finalizaram o ensino médio integral.

Os 94 estudantes que permanecerão nos 1º e 2º anos têm opção de remanejamento sem prejuízo pedagógico para a Escola Estadual Antônio Epaminondas, no bairro Lixeira, que também funciona em período integral. Além das escolas estaduais José de Mesquita, no Porto, Padre João Panarotto, no CPA IV, ou Professor Rafael Rueda, no Pedra 90.

Ainda de acordo com a Seduc, os profissionais lotados na unidade também não terão prejuízos, já que serão transferidos para a Escola Estadual Antônio Epaminondas. Assim como os servidores temporários, que serão direcionados para outras unidades educacionais.

A ocupação 

Durante o protesto, os estudantes conversaram com a reportagem do  e explicaram que começaram a ocupar o prédio ontem (10), por volta das 16h. Inicialmente, eles chegaram a pedir a chave do prédio na direção da escola, porém eles se negaram a entregar. No entanto, após conversas, os alunos entraram no local de forma pacífica.

Uma faixa produzida pelos alunos e esticada no portão da Escola Estadual Nilo Povóas ostenta a palavra “ocupada”  e indica o que acontece por trás dos muros. Dentro da escola, meninos e meninas se organizaram em salas separadas. Eles conseguiram a chave da cozinha e estão se alimentando com os produtos que seriam usados para a merenda escolar. Os jovens ressaltaram que, após campanha de doação, os alimentos serão devolvidos.

Os estudantes disseram que pretendem acampar no local por tempo indeterminado. Até o momento, a Polícia Militar não foi acionada para comparecer à unidade.

Os manifestantes também afirmaram não terem conhecimento de recursos judiciais que possam ter sido impetrados para que saiam do prédio. “Já conversamos muito, resolvemos que agora é ‘entrar mesmo’. Estamos tranquilos e focados no que queremos, que é reivindicar o não fechamento da escola”, disse um dos alunos que prefere não se identificar.

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Casal é brutalmente assassinado a tiros e facadas; sobrinho vê os corpos da janela

Leia em seguida

Réu em desvio de R$ 1,6 milhão acusa 9 delegados, promotores e juízes em MT