Notícias de Última Hora :

Atleta olímpico participa de jogo de fuga em Cuiabá

Dia do fonoaudiólogo: entenda a importância desse profissional no ambiente hospitalar

Profissionalismo e dedicação marcam 20 anos de profissão da fonoaudióloga Samia Ribeiro

Chapa 2 Integração protocola pedido para que profissionais da contabilidade tenham férias fiscais em MT

Adrenalina, desafios e diversão te esperam no Halloween da Escape60, em Cuiabá

Encontro automobilístico “Esperienza” supermáquinas entra para o calendário de eventos em Mato Grosso

Experiência única de recreação e entretenimento: Conheça o Escape60′

Fotógrafo vem a MT para ensaios que levantam autoestima de mulheres

Aparelho auditivo com “modo máscara” é alternativa que possibilita a comunicação com a proteção facial

Professora da UFMT recebe moção de aplausos em homenagem ao Dia do Contador

Escape 60′ oferece desconto para confraternização corporativa de fim de ano

Jogo de fuga cercado de desafios, mistérios e adrenalina: conheça o Escape60′

Feira gratuita ajuda jovens a cursarem faculdades fora do país

Municípios precisam de representatividade na Assembleia Legislativa

Dia do Estudante tem programação especial em escola de Cuiabá

Justiça reconhece que concessionária não é responsável solidária em processo de indenização por defeito de carro

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

sexta-feira, 28 de janeiro de 2022

Com 58 anexos, delação atinge até membros do Poder Judiciário

Desembargador Marcos Machado homologou delação de José Riva nesta quinta-feira

A delação premiada do ex-deputado estadual José Riva possui 58 anexos que narram supostas condutas ilícitas praticadas por ex-parlamentares e gestores, ocupantes de mandatos e cargos públicos e até membros do Poder Judiciário.

Riva ainda citou servidores públicos, empresários e pessoas jurídicas.

A informação consta na decisão do desembargador Marcos Machado, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, que homologou a delação do ex-parlamentar nesta quinta-feira (20). Leia a decisão

Conforme a decisão, os anexos apresentados por Riva contêm diversos documentos que detalham suspostos esquemas praticados ao longo de mais de duas décadas.

“O conteúdo da colaboração envolve supostas condutas ilícitas atribuídas a ex-parlamentares e gestores, ocupantes de mandatos e cargos públicos e servidores públicos, além de empresários e pessoas jurídicas, que formaram quadrilha, posteriormente associação e aparente organização criminosa ao longo de mais de duas décadas, institucionalizando a corrupção nos poderes Legislativo e Executivo, a ponto de alcançar, em tese, membros do Poder Judiciário, em que pese as inafastáveis garantias do contraditório e da ampla defesa, em processos administrativos e judiciais, na forma da lei”, consta na decisão.

O ex-deputado firmou acordo de colaboração com o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público Estadual (MPE), em dezembro de 2019.

 

A decisão não detalha valores ou a forma de cumprimento de pena.

 

Conforme Machado, a deliberação sobre cada anexo será individualizada, observado um cronograma a ser definido entre ele e membros do MPE.

 

Ele ressaltou, porém, que não será, necessariamente, competente para o processamento de todos os fatos relatados no âmbito das declarações do ex-parlamentar.

 

Conforme o desembargador, quando forem sendo desenvolvidas as investigações e confirmados ou não o envolvimento desta ou daquela pessoa física ou jurídica com detenção de foro, o conteúdo será encaminhado para a autoridade competente.

 

“Nesta fase, cabe ao Relator apenas o juízo de compatibilidade entre a avença pactuada entre as partes e o sistema normativo vigente”, afirmou.

 

Na decisão, Machado deixou claro que todo material produzido deverá ser mantido sob sigilo.

 

O desembargador frisou, contudo, que essa ressalva procedimental não representa aceitação parcial das cláusulas convencionadas pelas partes, mas adequação à nova lei (Lei nº 13.964/2019, art. 4º, §§ 8º e 16), que prevê maior higidez jurídica do juiz ao homologar acordo de colaboração premiada que tenha repercussão sobre direitos fundamentais de pessoas humanas, ainda não julgadas, muito menos condenadas.

 

“Ademais, a homologação não representa juízo de valor sobre as declarações eventualmente já prestadas pelo colaborador à autoridade judicial ou ao Ministério Público (…). Não significa concordância ou afirmação que as declarações são verdadeiras, as quais serão objetos de apuração futura ou servirão para serem valoradas em ações penais ou civis, em tramitação ou a serem instauradas, a exigir do juiz que o homologa esmero, bom senso e juridicidade”, diz outro trecho da decisão.

 

“Por fim, no tocante aos anexos que compõem o acordo, constata-se que os fatos delatados foram divididos em 57 (cinquenta e sete) caixas box, contendo documentos e as declarações do colaborador sobre as supostas condutas ilícitas praticadas pela organização criminosa. Além desso, o colaborador complementou, em audiência de ratificação de vontade, a delação, narrando fatos ilícitos em contratos firmados pela Assembleia Legislativa, a serem objeto de apuração específica, formando-se o anexo 58”, diz trecho da decisão.

Ler Anterior

Sérgio Ricardo faz delação e entrega “comparsas” ao STJ

Leia em seguida

Vereador da oposição denuncia perseguição na Saúde em VG