Notícias de Última Hora :

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

quarta-feira, 23 de junho de 2021

Emanuel diz que ofensa de Abílio a colega é “ato de desespero”

Vereador de oposição chamou colega de “pau mandado” durante encontro na Câmara

O prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB) classificou como “ato de desespero” as ofensas proferidas pelo vereador Abílio Júnior (PSC) contra Toninho de Souza (PSD), na última semana.

Durante reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Paletó – que investiga Emanuel –, Abílio acusou o colega de agir para proteger o prefeito e ainda rotulou Toninho como “pau mandado”.

“Lamentável. Está vendo a situação ficar cada vez mais delicada e quer atirar em todo mundo. Isso é desespero de quem não quer arcar com as consequências de seus atos”, afirmou o prefeito, em alusão ao fato de Abílio estar na iminência de ter o mandato cassado.

A Comissão de Ética da Câmara já aprovou o relatório pela cassação do parlamentar de oposição, por quebra de decoro. O assunto ainda será deliberado em plenário.

Sobre a possibilidade de cassação, o prefeito limitou-se a dizer que se trata de um processo interno do Legislativo. Mas, observou que, assim como os demais vereadores, cabe a Abílio cumprir o código de ética da Câmara.

 

“Vivemos em um País democrático, existem leis, normas e regras. E o Código de Ética e decoro parlamentar é uma norma. Existe e toda vida existiu dentro do nosso ordenamento jurídico”, disse.

 

“Quem descumpre essa regra está sujeito a ser processado. Mas tem que ter elementos para isso. Um processo só pode seguir adiante e só pode ser efetivado se tiver provas, diligências, elementos concretos e todo um rito respeitado. Nada é feito de cima para baixo, de forma escondida. Até porque, se for feito, vai cair na Justiça”, emendou.

 

Por fim, o prefeito reiterou lamentar episódios de agressão verbal ocorridos dentro da Câmara.

 

“Uma pena a gente ver tanta agressão, violência verbal, violência com intuito de denegrir esse ou aquele parlamentar que está realizando seu trabalho. Mas, não me envolvo em assunto da Câmara. Os vereadores são maduros, experientes suficientes e capazes de resolver seus problemas internamente, sem nenhum envolvimento do Executivo Municipal”, completou.

Ler Anterior

Traficante que vendia drogas próximo a escola é preso em flagrante

Leia em seguida

Sérgio Ricardo faz delação e entrega “comparsas” ao STJ