Notícias de Última Hora :

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

Empresa de aparelhos auditivos atende pacientes em domicílio durante pandemia

Alunos do Colégio Salesiano São Gonçalo podem acompanhar aulas pela internet

Fonoaudióloga de Cuiabá alerta sobre limpeza de aparelhos auditivos no período de pandemia

O mundo é machista, mas quem mandam são elas

Gêmeos de Cuiabá são aprovados em três universidades federais

terça-feira, 27 de outubro de 2020

Ministério Público sabia sobre “mensalinho” na Assembleia Legislativa, afirma Silval

O ex-governador Silval Barbosa afirmou, durante a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Câmara de Cuiabá, na manhã desta segunda-feira (2), que o então chefe do Ministério Público (MP), Paulo Prado, sabia dos pedidos de extorsão dos deputados estaduais, chamados de mensalinho. Entretanto, Prado não tomou nenhuma providência em relação ao esquema.

Segundo o depoimento do ex-governador, ele chegou a se oferecer para gravar essas tentativas e obter provas para que o MP tomasse providências, mas não obteve resposta.

Silval afirmou ainda que se reuniu duas vezes com Paulo Prado para falar sobre as pressões que estava sofrendo e que atrasavam as obras. Em um segundo encontro, foi falado sobre a possibilidade de gravar os pedidos de extorsão, mas o plano não foi efetivado.

“Ele disse: vamos gravar aqui dentro e flagrar. Ficou de estudar e ficou por isso mesmo”, disse Silval sobre Paulo Prado. Nesses encontros Silval teria dito que estava passando por problemas não só na Assembleia Legislativa, mas em outras instituições também.

Sem resposta do MP, o ex-governador disse que precisou “tocar as obras” do jeito que podia, com o pagamento de propina para evitar problemas e atrasos na Assembleia Legislativa, que incluíam a aprovação de crédito suplementar, do orçamento e de projetos.

Em seu depoimento, Silval voltou a afirmar que o acordo com os parlamentares era de R$ 600 mil, divididos em 12 parcelas de R$ 50 mil.

0 Reviews

Write a Review

Ler Anterior

Stand Up Hooligans barbearia

Leia em seguida

Mais de 10 milhões de pessoas possuem problemas auditivos no Brasil