Notícias de Última Hora :

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

sexta-feira, 5 de março de 2021

Governo Atende Deputado E Retira Do Legislativo, O Projeto Que Regulamentaria O Comércio Do Peixe Em MT

A Assembleia Legislativa de Mato Grosso vai bancar o pagamento dos estudos técnicos feitos por uma universidade de Cuiabá para avaliar o impacto social e ambiental com a possibilidade de aprovação do projeto 668/19 que propõe atualizar a atividade da pesca no estado. O projeto apelidado de Cota Zero foi retirado da pauta de votação e tramitação nas comissões da Assembleia Legislativa, nesta terça-feira (3). A informação foi feita, durante uma coletiva pelo presidente do Legislativo, Eduardo Botelho (DEM) acompanhado dos deputados Elizeu Nascimento (DC), Xuxu Dalmolim (PSC), Sílvio Fávero (PSL) e o secretário Adjunto de Relações Políticas, Carlos Brito, além de representantes da Cepesca.

O projeto que prevê a proibição à comercialização e transporte de peixe nos rios de Mato Grosso pelo período de cinco anos tramitou durante todo o ano de 2019 no Legislativo com a realização de diversas audiências públicas e apreciações nas comissões permanentes, mas não foi votado em plenário, após resistência de ribeirinhos e setores ligados à pesca em Mato Grosso.

Sem citar valor referente aos estudos, Botelho disse que o parlamento estadual tem condições financeiras para patrocinar o trabalho de avaliação técnica que terá a participação de funcionários da Secretaria de Meio ambiente (Sema).

Conforme Carlos Brito, o governador Mauro Mendes (DEM), as audiências púbicas foram essenciais para que os deputados pudessem obter das populações ribeirinhas, o quanto o projeto poderia se impactante na área ambiental, social e econômica. “O Governo atende a reivindicação e poderá retornar o projeto de uma maneira apropriada a partir do entendimento entre os setores interessados”, disse Brito.

De acordo com Botelho a convergência de ideias foi importante para o projeto seja readequado as necessidades dos ribeirinhos.

As representantes da Cepesca Nilma, Letícia e Márcia ressaltaram o entendimento entre os deputados e o governo para a retirada do projeto. “Devemos reconhecer que o governo e os deputados foram inteligentes ao retirar o projeto que seria maléfico para o segmento da pesca em Mato Grosso”, afirmou Nilma.

Wilson Santos disse que o legislativo agiu de forma institucional. Segundo ele, um dos pontos críticos do projeto é a falta de ume estudo aprofundado das três bacias hidrográficas que banham Mato Grosso. “Essa foi uma grande falha porque não há estudos sobre as bacias do Alto Paraguaia, Araguaia e Amazônia. Sem esse estudo ficamos em voo cego, querendo avaliar e apreciar, mas sem balizamento científico”, observou Wilson.

Ler Anterior

Licitação para construção da Avenida Contorno Leste entra na reta final

Leia em seguida

Benedito Nunes Deixa Legado Para A Cultura Mato-Grossense