Notícias de Última Hora :

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

domingo, 7 de março de 2021

CAVALO DE PAU ECONÔMICO

Vivaldo Lopes

O elevado sentimento de pânico e ojeriza ao risco que toma conta dos mercados financeiros do mundo inteiro está proporcionando verdadeiro cavalo de pau nos rumos da economia mundial.  O ano começou com otimista expectativa de crescimento acima de 3%. Antes de completar o primeiro trimestre já se torce para não terminar com desempenho da atividade econômica próximo de zero. A tsunami que atropelou o mundo tem nome: coronavírus. A doença que surgiu como um surto no interior da China, tomou o mundo e se transformou em pandemia de dimensões sanitárias e econômicas ainda não dimensionáveis. A pandemia afetou diretamente os pulmões dos três grandes motores econômicos do mundo: Ásia (China, Japão, Coréia do Sul, Índia), União Europeia e Estados Unidos. A forma inesperada como surgiu e a velocidade de sua propagação surpreenderam a todos, desde as autoridades da área de saúde, como lideranças políticas e executivos das maiores corporações do planeta. Até que a doença seja controlada com ações profiláticas e reativas até o desenvolvimento de uma vacina, terá causado tão profundos estragos na economia global que farão de 2020 ser lembrado como um ano perdido sob o ponto de vista econômico.

Inicialmente todos os analistas econômicos, políticos e empresariais entenderam tratar-se de doença que seria controlada e domada em questão de meses, com efeitos passageiros sobre a estrutura produtiva mundial, cujos estragos seriam recuperados nos trimestres seguintes. Os fatos atropelam as projeções e estão a demonstrar o contrário. A metodologia recomendada no combate da doença preconiza o distanciamento social, fato que praticamente paralisa as atividades produtivas em todos os setores e todas as cadeias produtivas ao contrair a movimentação de pessoas, mercadorias e suprimentos. Isso produz um perverso efeito dominó sobre a produção, faturamento das companhias, consumo das famílias e no mercado de trabalho.

Repete-se no Brasil o mesmo roteiro de filme de terror. Começamos o ano com estimativas de crescimento de 2,5%, após um 2019 de crescimento pífio. Antes que as águas de março fechem o verão já se tem como certo um primeiro semestre perdido. O país começa agora uma corrida para tentar salvar o segundo semestre na esperança de evitar que terminemos 2020 com PIB estagnado abaixo de zero.  No campo político o país demorou demasiadamente a reconhecer a dimensão e a gravidade do problema o que inibiu ações de políticas econômicas anticíclicas que a situação exigia. Finalmente, nesta semana o ministro da Economia anunciou um conjunto de medidas para estimular o consumo das famílias e injetar liquidez ao caixa das empresas para enfrentarem a travessia do deserto financeiro que surge à frente. Na parte monetária, o Banco Central anunciou medidas autorizativas para os bancos alongarem dívidas de pessoas e empresas. Ao final da tarde de ontem, quarta feira (18), anunciou também a redução da taxa Selic anual de 4,25% para 3,75%. Havia expectativa de redução para 3,25%.

Considero tímidas e tardias as medidas fiscais do Ministério da Fazenda e as monetárias do Banco Central. Ressalve-se que a degradante situação fiscal da administração federal reduz muito a capacidade de injeção de liquidez no mercado. Apenas à guisa de comparação, diante da crise financeira mundial de 2009, a administração federal também tomou medidas para estimular o reaquecimento da economia, mesmo que, equivocadamente, o então presidente Lula tenha dito que a crise era apenas uma “marolinha”. As medidas deram propulsão especial ao consumo das famílias e das empresas. Os resultados pareceram somente em 2010 quando o PIB cresceu 7,5%. Mas a situação fiscal do país era bem melhor. Em 2008 o superávit primário foi de R$ 118 bilhões e as reservas cambiais estavam na casa de US$ 371 bilhões, o que permitiu ao tesouro nacional subsidiar crédito para o consumo por meio dos bancos federais, BNDES, Caixa Econômica e Banco do Brasil.

O erro daquela ocasião foi ter mantido essa política de gastança permanente quando deveria ser transitória.

Em 2019 o país teve déficit primário de R$ 95 bilhões. Esse déficit já foi um grande feito diante da previsão inicial de R$ 139 bilhões e dos R$ 120 bilhões de 2018. Além da situação fiscal deficitária, temos a emenda constitucional do teto de gastos que atua como uma rigorosa trava orçamentária mesmo em situações de crise como a que o país enfrenta.

O Banco Central poderia ousar mais, sem risco de perder o controle da inflação, na flexibilização monetária para estímulo ao crédito como também na questão cambial, utilizando-se da sólida reserva cambial de US$ 360 bilhões.

Resta acompanhar e torcer para que as medidas anunciadas tenham a eficácia que todos aguardamos na mitigação dos efeitos da crise nessa fase de combate intensivo à doença.

Vivaldo Lopes, economista formado pela UFMT, onde lecionou na Faculdade de Economia.  É pós-graduado em  MBA Gestão Financeira Empresarial-FIA/USP  (vivaldo@uol.com.br)

 

Ler Anterior

Portaria Federal determina que Mato Grosso feche fronteira com Bolívia

Leia em seguida

Sindicato dos Investigadores de Polícia do Estado de Mato Grosso