Notícias de Última Hora :

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021

Prefeito vê CPI como “politicagem” e cobra maturidade da oposição em Cuiabá

“É lógico que é politicagem. Esses recursos ainda nem foram gastos direito. E eles serão fiscalizados pelo Tribunal Contas ou pelo Ministério Público. Pelo amor de Deus!”, disse o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) na manhã desta segunda-feira (18), ao comentar a proposta de abertura de CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) feita pelo vereador Abílio Junior (Podemos).

A justificativa para abertura da CPI dada por Abilinho e seu grupo é apurar as dispensas de licitação, acréscimos de despesas, ações e contratos firmados pela Prefeitura de Cuiabá durante a pandemia da Covid-19. O vereador foi reempossado devido a uma liminar da justiça que suspendeu a cassação de seu mandato por falta de decoro.

Toda a bancada de oposição ao Palácio Alencastro já assinou o requerimento:  Dilemário Alencar (Podemos), Diego Guimarães (Cidadania), Felipe Wellaton (Cidadania), Clebinho Borges (PSD), Lilo Pinheiro (PDT), Marcelo Bussiki (DEM), Vinicyus Hugueney (Solidariedade), sargento Joelson (Solidariedade) e Wilson Kero Kero (Podemos).

A principal acusação de Abílio é em torno dos R$ 23 milhões já recebidos pela capital, vindos do Governo Federal, e que se somam ao repasse de outros R$ 2 milhões do duodécimo da Câmara Municipal.

“Contudo, até o presente momento o prefeito não apresentou à sociedade nenhum novo leito de UTI, não apresentou compra de respiradores e não apresentou em portal da transparência onde teria sido gasto este valor do Governo Federal”, afirmou.

Ele sempre acusou o prefeito de manobrar para impedi-lo devido à oposição exercida por ele no legislativo municipal e às acusações constantes de participação em esquemas de corrupção desde os tempos em que Emanuel era deputado estadual, lembrando constantemente a gravação do episódio do dinheiro caindo do paletó do hoje prefeito, dentro do gabinete do ex-assessor do então governador Silval Barbosa.

“Pelo amor de Deus. Eu quero união de todos. Tem gente morrendo, tem gente sofrendo. Estamos em uma pandemia. Controle tem que ter o tempo todo, não só para esse recurso, mas para todos os recursos. É hora de união, não de politica. A oposição faz parte, mas vamos nos unir. Nunca a cidade precisou tanto da união de todos e da maturidade das forças políticas em defesa de um bem comum”, continuou o prefeito à Rádio Vila Real, reforçando a atuação e o “pleno funcionamento independente” dos órgãos de controle.

Para Abílio, no entanto, tem algo muito errado no contrato firmado, com dispensa de processo licitatório, no valor de R$ 840 mil para uma empresa fazer desinfecção nos condomínios com a utilização de drones e na contratação de empresa de caminhões-pipa para fazer as higienizações e desinfecções de áreas públicas.

“O mesmo não se encontra no portal transparência e pouco se sabe da execução e custo do serviço, sendo assim, se faz necessário investigar”, observou Abílio Junior, que também colocou sob suspeita os números de casos e mortes da Covid-19 em Cuiabá, pois, diz ele, Prefeitura e Governo do Estado passam números diferentes.

Ler Anterior

Calada da noite

Leia em seguida

Abilio assume liderança do Podemos na Câmara de Cuiabá