Notícias de Última Hora :

Aparelho auditivo com “modo máscara” é alternativa que possibilita a comunicação com a proteção facial

Professora da UFMT recebe moção de aplausos em homenagem ao Dia do Contador

Escape 60′ oferece desconto para confraternização corporativa de fim de ano

Jogo de fuga cercado de desafios, mistérios e adrenalina: conheça o Escape60′

Feira gratuita ajuda jovens a cursarem faculdades fora do país

Municípios precisam de representatividade na Assembleia Legislativa

Dia do Estudante tem programação especial em escola de Cuiabá

Justiça reconhece que concessionária não é responsável solidária em processo de indenização por defeito de carro

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

quinta-feira, 23 de setembro de 2021

IMPACTO ECONÔMICO DA FERROVIA

O fato econômico mais relevante de Mato Grosso, neste ano, aconteceu no último dia 27 de maio em Brasília. Trata-se da assinatura da renovação antecipada da concessão da ferrovia Malha Paulista, entre o Ministério dos Transportes, a Agência Nacional de Transportes Terrestres – ANTT e a empresa Rumo, braço de logística ferroviária e portuária do Grupo Cosan. A renovação antecipada da concessão, que venceria em 2028, era pleito antigo da empresa, como forma de obter mais previsibilidade econômica e segurança jurídica para promover os investimentos necessários para tornar mais eficiente a operação da ferrovia paulista e aumentar o volume de cargas transportadas. Em contrapartida, segundo nova legislação que regula o setor, a concessionária fica obrigada a construir o novo trecho da ferrovia Vicente Vuolo, em Mato Grosso, que vai de Rondonópolis a Cuiabá e, posteriormente, até a Lucas do Rio Verde, uma distância aproximada de 600 km. A empresa terá de investir, com capital próprio, R$ 6,1 bilhões nos dois trechos ferroviários, além do pagamento de R$ 2,9 bilhões em outorgas ao governo federal. Estima o Ministério dos Transportes que a companhia vai mais que dobrar a capacidade das duas ferrovias, saindo dos atuais 35 milhões de toneladas transportadas anualmente para 75 milhões de toneladas.

A mesma empresa já havia vencido, em março do ano passado, leilão de concessão do trecho de 1.537 km da ferrovia Norte-Sul que liga as cidades de Porto Nacional (TO) a Estrela D’Oeste (SP), passando por Anápolis, em Goiás, ao porto de Santos. O maior do país. A operação do trecho da Norte Sul vai dar ganhos de sinergia comercial e operacional à empresa, pois vai avançar sobre a nova fronteira agrícola do país, alcunhada de MATOPIBA, que abrange partes do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, permitindo o escoamento de parte da produção dessa região para o porto de Santos. Em videoconferência após a assinatura do contrato, executivos da empresa anunciaram que o foco será expandir a malha ferroviária para mais próximo das cargas. Como em Mato Grosso o maior volume de cargas vem do agronegócio, significa levar os trilhos até o principal centro de produção de grãos do estado que é o médio norte, com epicentro nos municípios de Sorriso, Lucas do Rio Verde e Nova Mutum. Precisam se preparar para um estado que chegará em 2030 produzindo 120 milhões de toneladas de grãos e fibras, cuja maior parte é exportada pelo porto de Santos.

Em Cuiabá, a prioridade são as cargas comerciais, chamadas de cargas de conteineres que abastecem o comércio de bebidas, materiais de construção, eletro-eletrônicos, vestuário, alimentação e a indústria da capital. Foram apresentados estudos confirmando potencial desse tipo de carga em 20 milhões de toneladas por ano.

Considero acertada a decisão da administração federal, tomada ainda durante o governo de Michel Temer, de estabelecer como contrapartida para renovação de concessões ferroviárias a construção de novos trechos. Louve-se a atitude do atual Ministro dos Transportes, Tarcísio de Freitas, que deu sequência a essa política, aperfeiçoou e deu celeridade aos pedidos de renovações que dormitavam nas entranhas da tecnocracia de Brasília. Essa política pública ajuda a modernizar a matriz de transportes do país ao mesmo tempo que beneficia regiões produtoras como Mato Grosso, Goiás e Tocantins. O transporte ferroviário torna mais competitivos os nossos produtos agropecuários e florestais e pode atuar como gatilho impulsionador da necessária industrialização da nossa economia. A mesma legislação deve trazer outro

tramo ferroviário para o território mato-grossense. Para renovar a concessão da ferrovia Vitória-Minas, o Ministério  dos Transportes e a ANTT exigem que a atual concessionária Vale construa o trecho da Ferrovia da Integração Centro Oeste – FICO, que vai de Campinorte, em Goiás, até Água Boa (MT) e depois até Sorriso (MT), ampliando ainda mais a malha logística ferroviária do país e, por consequência, contribuindo para melhorar as vantagens competitivas da economia do Brasil e do estado.

São inquestionáveis os impactos positivos que a expansão da ferrovia produzirá na economia de Cuiabá e Mato Grosso. No caso de Cuiabá, deve dar impulso muito forte ao carro chefe da economia da capital que é o setor de serviços, melhora a competitividade dos setores de comércio atacado e varejo e abre grande janela de oportunidade para a expansão do seu parque industrial.  As ferrovias atuam como centro de atração de uma vasta cadeia de suprimentos e negócios nas áreas comercial, industrial, agropecuário e de serviços, fatores que atuarão para melhorar o desempenho do PIB estadual. Urge, portanto, a necessidade de grande mobilização das autoridades estaduais e municipais, lideranças políticas, empresariais, intelectuais para que as licenças ambientais e operacionais sejam aprovadas o mais rapidamente possível e os trilhos cheguem no tempo planejado no contrato de concessão e o estado possa dar mais um passo muito importante para se estabelecer como uma economia moderna,  industrializada e com melhor distribuição de suas riquezas.

Vivaldo Lopes, economista formado pela UFMT, onde lecionou na Faculdade de Economia. É pós-graduado em  MBA Gestão Financeira Empresarial-FIA/USP  (vivaldo@uol.com.br)

Ler Anterior

TCE lança novo site sobre a covid-19

Leia em seguida

Ex-deputado estadual e presidente da Fepemat morre de covid-19 em Cuiabá