Notícias de Última Hora :

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

terça-feira, 2 de março de 2021

A volta da propaganda partidária

Aprovada pelo Senado Federal na última semana, a proposta que prevê o adiamento das eleições municipais entrou agora na pauta da Câmara dos Deputados. Num primeiro avanço, a proposta definiu os dias 15 de novembro e 29 de novembro em caso de dois turnos. Mas acontece que agora o assunto transita numa outra esfera, onde os parlamentares do chamado “Centrão” cobram o famoso toma-lá-dá-cá do governo federal. Entre as exigências, o retorno da propaganda partidária.

Muito além disso. Em primeiro lugar, o bloco busca a liberação de R$ 5 bilhões dos cofres do Tesouro Nacional aos prefeitos por meio do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Estes estariam cambaleantes em meio a pandemia do novo coronavírus, afetados pela crise na saúde. Mas o que mais chama a atenção é a proposta de ampliação da chamada propaganda partidária. Afinal, numa campanha de prazo muito enxuto, eis que surge a oportunidade para se discutir o processo democrático num sentido amplo.

Se considerarmos que 45 dias são um prazo exíguo para que os candidatos possam apresentar suas plataformas, bandeiras, propostas e ainda cativar o público, com mais 43 dias, isto claro, caso a proposta se confirme na Câmara dos Deputados, proporcionará mais tempo de bola rolando. O marketing digital estará ainda mais presente, em tempo de distanciamento. Lembrando que o prazo pré-eleitoral é o momento mais oportuno para estabelecer suas conexões.

Em que pese um fator fundamental que precisa ser colocado na balança para a justeza do processo eleitoral – no sentido de proporcionar condições equânimes de acesso às plataformas, propostas e projetos -, devemos considerar a proposta do “Centrão” nem de toda ruim. Embora amplie os gastos em aproximadamente R$ 400 milhões ao mês num momento em que os recursos estão sendo canalizados para o enfrentamento da Covid-19, a ampliação da propaganda na TV e no rádio sofre resistências.

Mas, se considerarmos a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – Tecnologia da Informação e Comunicação (Pnad Contínua TIC) 2018, divulgada em abril deste ano pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), fica patente a necessidade de revisão nesse sentido. O levantamento revela que uma em cada quatro pessoas no Brasil não tem acesso à internet. Em números totais, isso representa cerca de 46 milhões de brasileiros que não acessam a rede. Em áreas rurais, o índice é ainda maior; chega a 53,5%.

Em contrapartida, segundo o Ibope, cerca de 97% dos domicílios do País possuem pelo menos um aparelho televisor. São aproximadamente 71 milhões de imóveis residenciais. Há estimativa, todavia, de que mais de 91% dos brasileiros escutem rádio. Portanto, a denominada mídia tradicional segue hegemônica. Quanto mais acesso à informação, mais democrático é o processo. Mas, calma. Não se engane. Está será, sem sombra de dúvidas e de qualquer maneira, a eleição mais digital de todos os tempos. E a reputação será construída ou destruída na velocidade do pensamento, com um simples toque na tela.

*Hugo Fernandes é jornalista especialista em Comunicação Estratégica, Assessoria de Imprensa e Marketing Político.

Ler Anterior

Em reunião com Pazuello, Mendes garante medicamentos para pacientes em UTI

Leia em seguida

MT chega a 17.401 casos confirmados de covid-19 e 665 óbitos