Notícias de Última Hora :

Aparelho auditivo com “modo máscara” é alternativa que possibilita a comunicação com a proteção facial

Professora da UFMT recebe moção de aplausos em homenagem ao Dia do Contador

Escape 60′ oferece desconto para confraternização corporativa de fim de ano

Jogo de fuga cercado de desafios, mistérios e adrenalina: conheça o Escape60′

Feira gratuita ajuda jovens a cursarem faculdades fora do país

Municípios precisam de representatividade na Assembleia Legislativa

Dia do Estudante tem programação especial em escola de Cuiabá

Justiça reconhece que concessionária não é responsável solidária em processo de indenização por defeito de carro

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

quinta-feira, 23 de setembro de 2021

Pacientes com Covid fazem vaquinha para pagar dívidas

Os pacientes com Covid-19 estão recorrendo a hospitais particulares para receber atendimento, mas sem plano de saúde, ficam endividados e têm dificuldades para pagar a conta.

Dois moradores da região norte do estado, um de Sinop e outro de Sorriso, procuraram uma unidade básica de saúde, mas os remédios prescritos não funcionaram e o quadro se agravou.

A falta de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no Sistema Único de Saúde (SUS) fez a família do Marcos Lacerda, de 48 anos, procurar atendimento em um hospital particular de Sinop. Ele foi diagnosticado com a Covid-19 e, segundo o filho, Leonardo Lacerda, não tinha tempo de esperar uma vaga em uma unidade pública.

“O caso dele vinha piorando dia a dia. Muita tosse, estava muito forte, em alguns momentos dava até falta de ar. A saturação do sangue dele estava baixa, estava chegando a 90, 89 e o ideal é que fique acima de 95”, afirma.

Apesar de ter encontrado um leito particular, Leonardo quase não conseguiu internar o pai, já que o hospital pediu R$ 20 mil adiantado pelo leito de UTI. Valor bem acima do que ele tinha condições de pagar. O jeito foi pegar emprestado com conhecidos.

“Eu consegui então dois cartões pra gente passar o valor no cartão de débito, então só consegui pagar R$ 11.250 que era um pouco mais da metade. Mesmo assim eles não queriam internar, falaram que não poderiam, que era só com o pagamento completo e aí eu tive que brigar, insistir muito e isso já era mais de meia noite até que a moça que estava me atendendo conseguiu o contato com os responsáveis e eles liberaram a internação pra eu terminar de pagar no outro dia de manhã”, afirma.

Depois de dois dias na UTI do hospital privado, Marcos conseguiu uma vaga pelo SUS. A conta no hospital ficou em R$ 58 mil e foi quitada com a ajuda de amigos. Leonardo faz uma vaquinha online para pagar as pessoas que emprestaram dinheiro para ele. A dívida é de R$ 30 mil.

Quem vive o mesmo drama é o morador de Sorriso Arilson Efren Pereira. Ele não conseguiu vaga de UTI na rede pública para o pai dele, Almerindo Pereira, de 69 anos. A alternativa foi buscar o serviço particular.

“Ele foi fazer um serviço em casa e sentiu fraqueza no peito e dor nas costas. Aí ele foi no hospital de campanha. Lá fizeram a coleta para o exame. Depois de uns dias chegou o resultado do exame e testou positivo para a Covid-19. Foi no hospital de campanha, a médica prescreveu uns remédios pra ele, tomou cinco dias esse remédio e não melhorou. Aí fomos ao hospital particular. Lá a médica fez uma tomografia que deu que o pulmão dele já estava bem atacado e prescreveu antibióticos e outros remédios pra ele tomar em casa mais cinco dias. No retorno, ele fez outra tomografia e a médica optou por internar porque o pulmão dele estava mais atacado ainda”, afirma.

Para pagar a conta, que já passa de R$ 20 mil, a família está rifando uma leitoa doada por um amigo. O valor da rifa é de R$ 5.

“Ele está na UTI, a diária da UTI, fora os honorários médicos e remédios e exames, é R$ 2 mil. A gente não tem como pagar esse valor, a gente fez uma rifa, estamos vendendo e pedimos a colaboração dos amigos, de quem conhece meu pai e de todos que cooperam em ajuda, a gente fica muito agradecido”, afirma.

De acordo com o médico infectologista Ricardo Franco, o desespero das famílias que recorrem ao serviço particular tem uma razão: quanto menos o paciente que precisa de um leito de UTI esperar, maior é a chance de conseguir se recuperar.

“Conforme esse quadro vai piorando e não é iniciado esse suporte e os medicamentos necessários para melhorar esse quadro, a tendência é ter uma resposta inflamatória maior que acaba piorando a troca gasosa e muitas vezes a gente vê pacientes que nem tinham um quadro tão grave entrando numa deficiência respiratória e precisando de uma entubação precoce”, explicou.

Fonte G-1

Ler Anterior

Máscaras de tecido devem ser trocadas sempre que apresentarem desgastes

Leia em seguida

DEM lidera ranking de partidos com mais filiados em MT