Notícias de Última Hora :

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

Após pandemia, professor aposta em pousada sustentável em Cáceres

Aumento de 35% para 40% do desconto em folha e taxas menores beneficiam aposentados e pensionistas do INSS

MDB lança Léo Bortolin à reeleição em Primavera do Leste

Fonoaudióloga alerta sobre perda da audição em crianças

Cresce em Cuiabá a procura por eletroestimulação para pacientes recuperados da Covid-19

Advogado, com orgulho! (Giroldo Filho)

Para facilitar a comunicação, empresa cuiabana doará máscaras transparentes para famílias de pessoas com perda auditiva

Por erro de cálculo, empresários pagam mais impostos do que deveriam, alerta professora da UFMT

Projeto do Deputado Estadual Thiago Silva cria a medalha Pastor Sebastião Rodrigues de Souza

Estudante de Cuiabá participa de live para arrecadar fundos para combater covid 19

Estado atende deputado Thiago e entrega 2 ambulâncias para Rondonópolis

Perda auditiva não tratada gera mais gastos com a saúde, diz pesquisa

Empresa de aparelhos auditivos faz atendimento humanizado a pacientes

Um baile de máscaras em meio à pandemia

segunda-feira, 8 de março de 2021

Gafanhotos

As dez pragas do Egito, foram 10 calamidades que, de acordo com o livro bíblico do Êxodo, o Deus de Israel infligiu no Egito para convencer o faraó a libertar os hebreus (ou israelitas), maltratados pela escravidão. O faraó aceitou as condições de libertação de Deus (ou seja, desistiu) após a decima praga, provocando o êxodo do povo hebreu, que seguiram pelo deserto a caminho da terra de Canaã.

A chamada em questão, diz respeitos a duas situações distintas, a primeira relativa à nuvem de gafanhotos que avança em direção ao Brasil, que levou o Ministério da Agricultura a declarar estado de emergência fitossanitária (ou proteção sanitária vegetal, é o conjunto de medidas adotadas pela agricultura a fim de evitar a propagação de pragas e doenças), nas áreas do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, estados que podem ser afetados pelos insetos.

Esta primeira narrativa, diz respeito a uma coisa séria e preocupante, que é o anaço dessa nuvem de gafanhotos em direção ao nosso país, principalmente por sermos um país eminentemente agrícola, com a aproximação dos mesmos, na fronteira entre Brasil e Argentina, levou a Organização das Nações Unidas (FAO) a monitorar de perto registro de enxames desses animais.

A segunda narrativa tem tudo a ver com o famigerado projeto de lei Nº 2.630/2020, que busca combater a disseminação de informações falsas na internet, as chamadas Fake News, foi aprovado no Senado no dia (30/6).

Seguindo o curso, recentemente as redes sociais, mais precisamente no WhatsApp foi veiculada, (não estou criando nenhum factoide),  uma notícia de que uma senhora teria saído para fazer caminhada, com as roupas apropriadas para esta atividade física, e simplesmente desapareceu.

Obviamente, seu marido preocupado com o seu desaparecimento, pois já haviam passados alguns dias e nada dela aparecer; o mesmo procura a polícia para fazer uma notificação de desaparecimento da sua esposa.

Quando tudo parecia perdido, eis que 4 dias após o seu sumiço, a mesma, volta para casa com sinais  visíveis de chupada no pescoço; a mesma é indagada pelo marido, o que teria acontecido com o seu pescoço, a mesma responde, que aquelas marcas teriam sido feitas por um “gafanhoto”, acreditem se quiser.

Imagine vocês, se chegarem a nosso país essa nuvem de gafanhotos, não teremos apenas problemas seríssimos na Agricultura, como também nos casamentos, partindo da premissa da narrativa dessa senhora, que teria desaparecido  em função do perigoso “gafanhoto”, que ataca mulheres que fazem caminhadas sozinhas, vejam o perigo que as mesmas estariam correndo, caso chegassem a nosso país essa  grande nuvem de gafanhotos.

Pare o mundo, quero descer!

Professor Licio Antonio Malheiros é geógrafo.

Ler Anterior

Reforma tributária ambiental, um bem necessário

Leia em seguida

PM fecha festa clandestina no Mirante em Chapada dos Guimarães; dois são presos