Notícias de Última Hora :

Experiência única de recreação e entretenimento: Conheça o Escape60′

Fotógrafo vem a MT para ensaios que levantam autoestima de mulheres

Aparelho auditivo com “modo máscara” é alternativa que possibilita a comunicação com a proteção facial

Professora da UFMT recebe moção de aplausos em homenagem ao Dia do Contador

Escape 60′ oferece desconto para confraternização corporativa de fim de ano

Jogo de fuga cercado de desafios, mistérios e adrenalina: conheça o Escape60′

Feira gratuita ajuda jovens a cursarem faculdades fora do país

Municípios precisam de representatividade na Assembleia Legislativa

Dia do Estudante tem programação especial em escola de Cuiabá

Justiça reconhece que concessionária não é responsável solidária em processo de indenização por defeito de carro

SINDSPEN cobra vacinação urgente para policiais penais e servidores do sistema penitenciário

Prefeito Léo Bortolin toma posse na diretoria do consórcio nacional de compras de vacinas contra a covid

Policiais Penais protestam contra a Pec-32 em todo o Estado

Prefeito de Primavera do Leste e Secretário de Cultura de MT se solidarizam com classe artística e articulam prorrogação da Lei Aldir Blanc

Membros da Academia Mato-grossense de Letras prestigiam lançamento de livro de estudante cuiabano

Pacu entra no cardápio de restaurante internacional

Grupo São Benedito retoma lançamento imobiliário com condomínio recorde de vendas

Pesquisa aponta vitória de Edemil Saldanha(DEM) em Santo Antônio do Leste-MT

Com ampliação de horário e final de ano chegando academias começam a ter mais procura em Cuiabá

Com volta às aulas permitidas, escola de Cuiabá promove visita guiada com alunos do infantil

quarta-feira, 20 de outubro de 2021

Cuiabá e Várzea Grande como “lockdown da hipocrisia e da fake news”.

O secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, classificou a quarentena obrigatória que vigorou por quase 1 mês em Cuiabá e Várzea Grande como “lockdown da hipocrisia e da fake news”. Por decisão do juiz José Luiz Leite Lindote, da Vara de Saúde Pública de Mato Grosso, as duas maiores cidades do Estado tiveram os serviços não essenciais fechados entre 25 de junho e 24 de julho, quando o Poder Executivo editou um decreto “flexibilizando” a abertura do comércio.

Em entrevista à rádio Nativa 95 FM na tarde desta terça-feira (28), Carvalho afirmou que a medida se resumiu apenas no fechamento de lojas e shoppings centers da capital. “Avaliando esse decreto, só estava acontecendo o lockdown da hipocrisia e da fake news na baixada cuiabana. Quem estava pagando essa conta era apenas alguns segmentos como lojas de roupas, sapatos, eletrodomésticos, bares, restaurantes, lanchonetes e shoppings centers. Qual outra atividade que estava fechada antes desse decreto? Nenhuma”, disse o secretário.

Diante disso, o braço-direito do governador Mauro Mendes (DEM) colocou em xeque a efetividade das restrições comerciais, considerando que os casos de Covid-19 não caíram substancialmente no período. “Todos esses três segmentos estavam pagando a conta da sociedade inteira. Ficaram como os únicos responsáveis pelo índice de contaminação. Foi um negócio totalmente injusto. Você saía em Cuiabá e Várzea Grande e estava tudo aberto. Teve município que estava com risco muito alto, como Sinop, e nunca fechou nada, continuaram com a vida normal. Até as escolas particulares lá continuaram funcionando”, complementou.

Na última sexta-feira (24), o governador Mauro Mendes assinou um decreto autorizando o funcionamento de todos estabelecimentos não essenciais nos 141 municípios de Mato Grosso. A decisão fez com que o magistrado suspendesse imediatamente a quarentena, que havia acabado de ser prorrogada por mais 14 dias.

O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) acompanhou as flexibilizações e regulamentou na tarde de ontem os novos horários de atendimento de diversos segmentos comerciais. Carvalho, no entanto, defendeu que os empreendimentos funcionem sem nenhuma restrição de horário para evitar aglomerações.

“Os horários de funcionamento são de responsabilidade da prefeitura. Eu particularmente sou contra a restrição de horário, porque se todo mundo trabalhasse 24 horas, nós teríamos um espaço tão grande de atividade e pouco risco de aglomeração”, concluiu.

 

Ler Anterior

Botelho e Ze do patio fazem acordo e encerram ação em MT

Leia em seguida

Com 19 votos a favor, vereadores aprovam reforma da previdência de Cuiabá